Blog do Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

Partida gloriosa

2 Comentários

 

José Renato Nalini

E Jundiaí perde o bispo DOM GIL ANTONIO MOREIRA. Em compensação, JUIZ DE FORA ganha o Arcebispo DOM GIL ANTONIO MOREIRA. É a lei da compensação, presente e inevitável no convívio humano. No lustro em que esteve a pastorear a Igreja Particular de Jundiaí, DOM GIL se mostrou um sacerdote cioso de seu compromisso com a verdade. Muitos não entendem que a Igreja Católica Apostólica Romana tem compromisso com Cristo, não com o Ibope.

Quando indagam – O que a Igreja ganha a manter suas posições retrógradas? – a resposta só pode ser uma: a Igreja quer ganhar almas para Cristo. Aquele que disse não ter vindo para agradar, mas para resgatar a criatura contaminada pelo pecado. Sem arrogância, mas com afabilidade, na simpatia mineira que é prudente e discreta, nosso bispo conquistou um espaço de respeito, admiração e afeto. Interessou-se pelos excluídos, sem descuidar dos privilegiados aos olhos do mundo. Investiu nas vocações e conheceu cada um dos novos operários da messe. Não se preocupou com a repercussão de atitudes que deveriam ser a regra, mas podem ser consideradas insólitas. Procedeu a rodízio nas paróquias. Sacudiu as estruturas que muitos pretendiam permanecessem estratificadas. E agora, ele mesmo parte.

Lição de quem assimila a realidade peregrina. Ninguém é habitante permanente desta terra. O lugar do ser humano é a pátria celeste. Para isso ele foi criado. Se as pessoas tivessem noção real e consciência plena dessa realidade inafastável, não lamentariam as separações nem se desesperariam ante a morte. Somos frágeis e imperfeitos, contudo. Por isso sofremos com as partidas. Mas a vida é feita de altos e baixos, dos pólos opostos que já instigavam os pré-socráticos. O que seria da alegria, não fora a tristeza? E da saúde, não fora a enfermidade? E da alvorada, não fosse o crepúsculo? O encontro com a falta do oxigênio da amizade é o que permite valorar – de maneira a mais adequada – a maravilha da atmosfera do convívio.

DOM GIL ANTONIO MOREIRA coleciona alguns signos pioneiros nesta sua passagem por Jundiaí. É o primeiro bispo que nos deixa por promoção do Santo Padre. É o primeiro que sai com vigor e desafiadora missão. A continuar o seu pastoreio, agora com redobrada expectativa. Deixa uma diocese abençoada. Que teve início santificado, pois ninguém pode duvidar da santidade de DOM GABRIEL PAULINO BUENO COUTO. E que prosseguiu privilegiada com a passagem do inefável DOM ROBERTO PINARELLO DE ALMEIDA e com o dinamismo do comunicador DOM AMAURY CASTANHO.

O retorno às alterosas permitirá a continuidade intensificada de uma atividade paralela, mas convergente com o cultivo das almas. O cultivo da história, da beleza, da cultura. Pois DOM GIL é um erudito. Faz jus a integrar qualquer silogeu de intelectuais. Tanto que integrava o Condephaat – Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Artístico, Arqueológico e Turístico do Estado de São Paulo.

Não consegui concretizar meu humilde projeto de torná-lo membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo, em virtude de vicissitudes internas da instituição bandeirante. Mas já o recomendei para a Academia Mineira de Letras, onde outros sacerdotes já têm assento e onde seu talento será reconhecido. JUNDIAÍ se despede de DOM GIL ANTONIO MOREIRA contristada, mas jubilosa.

O misto de orgulho e lágrimas é mais comum do que possa parecer e está presente em inúmeras passagens existenciais. Qual o pai que não chora de alegria quando seu filho nasce? E quando sua filha se casa? Ou quando uma separação transitória torna fisicamente distante uma pessoa amada?

O planeta é cada dia menor e as viagens são rotina. Ainda nos veremos muitas vezes. Ele sabe que aqui deixou amigos de verdade. Aqueles que, muito além da afeição humana, partilham da mesma inabalável crença. Não é a proximidade dos corpos a garantia única da afeição. Esta é gratuita e desconhece distâncias. Aos muitos preitos que DOM GIL recebe, permito-me adicionar a humilde e eterna gratidão do filho reconhecido que foi confortado pela presença caridosa e cristã de seu bispo, no dia mais triste de sua já longa vida. O dia em que o pastor aquiesceu a pessoalmente encomendar o corpo querido, amado, que tanta falta fez, faz e fará, da melhor mãe do mundo.

José Renato Nalini

é Desembargador da Câmara Ambiental do Tribunal de Justiça de São Paulo, autor de “A Rebelião da Toga”, Editora Millennium, 2006. E-mail: jrenatonalini@uol.com.br

Anúncios

Autor: Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

2 pensamentos sobre “Partida gloriosa

  1. Dr. Renato:
    Esse texto é muito bonito, pois reconhece e valoriza uma pessoa que faz bem ao próximo. Lembro da primeira entrevista que assisti do senhor, e ouvi a forma carinhosa que falou da sua mãe. Não sabia que havia falecido. Sinto muito. Um abraço.

    • Cara Maria Luíza: Infelizmente, perdi minha mãe há 3 anos e meio. Não há dia em que não sinta falta dela. Obrigado pelo estímulo. Abraço do Renato

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s