Blog do Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

Band-aid na amputação

Deixe um comentário

Diante do descalabro do trato ecológico dispensado pelo governo federal à questão mais séria deste milênio, as poucas boas notícias parecem insignificantes. Procura-se criar um clima de ufanismo quando se anuncia redução no desmatamento. Ao mesmo tempo, legitima-se a grilagem como forma acelerada de continuar a desmatar. Enquanto as queimadas, motosserras e tratores cumprem sua faina assassina e destroem árvores centenárias, “pensa-se” no royalty verde.

O que significa isso? – É o projeto de se adotar uma taxa por emissão de carbono a ser cobrada sobre a produção do pré-sal. O objetivo é obter recursos para aplicar no combate ao aquecimento global. A taxa foi batizada de “royalty verde”, antes mesmo de nascer.

Mais uma pretensiosa iniciativa baseada em normatividade. De que adiantam boas leis, se elas não são cumpridas? O necessário é a vontade política e a força necessária e suficiente a fazer cumprir o prolixo e prolífico ordenamento já existente.

Da mesma forma, alguns se apropriam do “discurso verde” para continuar a sanha consumista. Ecologia é um bom marketing, pois não se pode perfilhar contra ela, ao menos seriamente. Chega o número de piadas a ridicularizar quem se preocupa com o futuro da Terra.

Por isso é que, em lugar de animar, notícias de realização da Feira Internacional de Soluções para Saneamento e Meio Ambiente – Ambiental Expo, ainda são insuficientes para trazer otimismo ao setor. É verdade que até o início de junho, essa feira vendera 80% dos espaços disponíveis para expositores. O evento é promovido pela Abdib – Associação de Infraestrutura – e pela Reed Exhibitions Alcântara Machado, de 30 de junho a 2 de julho na capital paulista. Mas o que resultará dele – concretamente – para reverter o quadro de saques perpetrados contra a natureza? Enquanto isso, a Cetesb não consegue coibir atitudes como a da Construtora São José que destelhou e derrubou paredes de seu imóvel no Jaguaré. Com as chuvas, espalhou-se material tóxico pelo solo, contaminou-se o lençol freático e eventual multa levará tanto tempo a ser cobrada, que estará prescrita antes de reverter para os cofres do Erário.

* José Renato Nalini é desembargador da Câmara Ambiental do Tribunal de Justiça de São Paulo, autor de “A Rebelião da Toga”, Editora Millennium, 2006. E-mail: jrenatonalini@uol.com.br.

Anúncios

Autor: Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s