Blog do Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

Coragem e urgência

Deixe um comentário

As catástrofes da primeira noite do ano são lições que não podem ser desprezadas. A leniência do Poder Público é concausa das tragédias. Todos sabem que as encostas não podem ser ocupadas. Menos ainda na insensatez multiplicadora de edificações toscas, improvisadas e desprovidas de cálculos de estrutura e fundações adequadas.

Extraia-se da tragédia o recado que a Natureza já havia endereçado e não foi compreendido pela insensatez humana. O remédio é a desocupação das áreas de risco e sua devolução à natural cobertura vegetal. Se outros deslizamentos ocorrerem, pelo menos não haverá o custo insuperável das perdas vitais.

O clima caótico já é consequência da atuação do homem sobre o Planeta. Desmatamento impune, adensamento populacional sem planejamento, parcelamento irregular ou clandestino do solo. O preço pago em vidas humanas pode ser acrescido se não houver imediata reversão das tendências. É preciso encarar o problema com a necessária seriedade.

Não transigir com os erros, assim que amainar a volúpia climática. Ao contrário, assumir as responsabilidades de promover a desocupação de todas as glebas ameaçadas. É o que se faz, de maneira arrojada e destemida, com o Jardim Pantanal em São Paulo. O equívoco daqueles que tentaram canalizar o Rio Tietê precisa ser reconhecido e não se transformar em “fato consumado”.

Não é porque a pouca visão dos administradores do passado sacrificou as curvas naturais do maior leito d’água que serve a capital, que esse atentado precisa ser eternizado. Remover a população, devolver as várzeas ao rio, faz parte da sua imprescindível ressurreição. Isso já se fez em outras cidades, com êxito comprovado. Custa dinheiro, implica em sacrifício, colhe incompreensões.

Mas o futuro dirá que não existe outra solução. Evitar rombo orçamentário não legitima desperdiçar vidas humanas. A lição é ainda mais válida e inadiável em relação ao Rio de Janeiro. A cidade sediará as Olimpíadas. Assim como o Prefeito Passos, no início do século XX, promoveu a demolição da velha capital colonial para traçar uma cidade inspirada em Paris, é hora de o Brasil mostrar que pode oferecer nova e hígida fisionomia da cidade mais linda do mundo a quem vier conhecê-la por ocasião dos jogos olímpicos.

José  Renato Nalini é Desembargador da Câmara Especial do Meio Ambiente do Tribunal de Justiça de São Paulo e autor de “Ética Ambiental”, editora Millennium. E-mail: jrenatonalini@uol.com.br.

Anúncios

Autor: Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s