Blog do Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

Alicerce da fé

1 comentário

A ressurreição é o alicerce da fé. Se a religião cristã não fosse alimentada pela certeza de que Jesus Cristo ressurgiu dentre os mortos, ela não passaria de um código de boa convivência. Ela é muito mais do que isso. É um conjunto de ensinamentos baseado numa verdade real: uma pessoa, com natureza dúplice – divina e humana – , ressuscitou dentre os mortos. Não simbolicamente, não figuradamente. Reviveu com o mesmo corpo e a mesma identidade.


Dois corpos físicos, ao menos, estão no lugar que Deus reservou às suas criaturas: Jesus e Maria. Ele, porque era Deus, dono da vida e senhor da morte. Superior à morte física, aquela que tanto nos amedronta. Ela, porque foi levada aos céus por haver obtido a glória de servir como sacrário durante nove meses. Ressuscitar é a suprema esperança para os homens. Entretanto, qual a importância temos dado a ela?


Talvez não tenhamos nos devotado a refletir seriamente sobre isso. A Semana Santa é um momento propício para pensar nisso. Ainda que ela não mereça hoje idêntica devoção de tempos idos. Estes dias, que já foram tão significativos para a população, que tinham o condão de mudar o comportamento coletivo durante a semana e que eram esperados com ansiedade, precisam servir ao menos para um momento de meditação para os que se consideram cristãos.


A confiança na palavra do Messias é lenitivo para todas as aflições impostas à humanidade. Por mais dolorosa seja a provação, haverá no final a certeza de renascer.
Ressuscitar com um corpo aperfeiçoado. Não haverá necessidade de manipulação genética para que todos sejam poupados das dores, das imperfeições, dos defeitos, das deficiências. Todos, mesmo aqueles que não levam a sério a promessa.


Quantas vezes não repetimos, até sem perceber ou com tíbia convicção, acreditarmos na ressurreição dos mortos. Hoje é um dia apropriado para que o Credo seja pronunciado com toda a fé, com toda a esperança e com o amor de configuração mais próxima ao ideal proposto pelo mesmo Cristo: amai-vos uns aos outros, como Eu vos amei. Não custa nada. Mas pode ajudar a suportar melhor as agruras da condição humana.


José Renato Nalini é Desembargador da Câmara Especial do Meio Ambiente do Tribunal de Justiça de São Paulo e autor de “Ética Ambiental”, editora Millennium. E-mail: jrenatonalini@uol.com.br.

Anúncios

Autor: Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

Um pensamento sobre “Alicerce da fé

  1. Bom dia, Excelência. No calor dos seus comentários, chamo a atenção para a leitura no intervalo entre o almoço e o estudo – “João Paulo II”, de Bernard Lacombe. Livro que já foi alvo (hoje!) de olhares enviezados, pois, segundo os colegas do curso preparatário, há “coisa mais importante para ler”. Não discordo da importância que se deva dar à matéria técnica, e a tristeza com que observo estar o cristianismo tão distante dos futuros juízes e promotores.

    A resposta certa a quem me pergunta se sou católica praticante: ser uma católica que não foge da fé.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s