Blog do Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

Vamos desfavelizar

3 Comentários

A Constituição da República de 5.10.1988 se apoia sobre um superprincípio: a dignidade da pessoa humana. Isso significa uma postura responsável de parte de todos os exercentes de poder estatal. Não é digna a situação dos moradores de rua, nem dos menores abandonados, nem dos excluídos. É obrigação do Poder Público traçar e implementar as políticas imprescindíveis à redução das desigualdades e à eliminação da pobreza. Se isso se faz, ao menos em algumas esferas, mediante distribuição de benesses, em outras impõe-se tratamento mais sério. Ou menos assistencialista.

O município é a entidade federativa encarregada de disciplinar a ocupação do solo urbano. Nada mais íntimo à garantia de uma subsistência digna do que a moradia compatível com as mínimas exigências do bem viver. E isso não existe nas favelas. A favela é a antítese da residência digna. Construções toscas, edificadas com inadequado material – lata, papelão, restos de demolições – e não propicia higidez de convívio para os seus moradores. Ainda quando a precariedade seja substituída por construções de alvenaria, não se atende ao exigível pelo urbanismo: recuos, reserva de espaço para a circulação, áreas verdes e institucionais.

A recolha do esgotamento é inexistente ou deficitária. O fornecimento de energia elétrica ou água não supre o desarranjo físico. E isso vai se refletir no surgimento dos problemas conhecidos. A inexistência de equipamentos coletivos impede o crescimento saudável da infância ali residente. Os meandros e passagens espremidas entre o adensamento das edificações facilitam o esconderijo de infratores. Sabe-se que em alguns núcleos favelados a polícia não consegue entrar. Mas também ali não tem acesso a ambulância, o socorro médico, o táxi ou qualquer outro veículo, inclusive o transporte escolar.

Não se pode transigir com essa situação. É um erro tentar corrigir o que nasceu errado e não tem conserto. A coragem imprescindível é a de erradicar a favela. Difícil? É óbvio que a empreitada parece utópica. Mas não é impossível. Cidades que ainda não foram tomadas por uma imensidão de favelas têm condições de enfrentamento da questão. Basta vontade política. Ou é preferível perder vidas como ocorreu neste outono, na região metropolitana do Rio de Janeiro?

José Renato Nalini é Desembargador da Câmara Especial do Meio Ambiente do Tribunal de Justiça de São Paulo e autor de “Ética Ambiental”, editora Millennium. E-mail: jrenatonalini@uol.com.br.

Anúncios

Autor: Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

3 pensamentos sobre “Vamos desfavelizar

  1. Esse olhar aos pobres, isso é preciso nós somos a luz que muitos descamisados querem ouvir eu quero ouvir e ler o que o Des. tenta dizer sobre ocupação sem planejamento dos solo virar esta piramide social já constituida e derramar sobre esta populaçao esperança e condições é chutar a mesmice não comcordar com o obivio moradia é caro ser cidadão é caro e por isso nossa vida hoje melhorou o emprego voltou por aqui falta mão de obra é isso que desmargiliza é isso que dá dignidade desconcetrar renda é urgente pra não ser utopico o manto Constitucional o Juz já pode sair da cadeira e se aproximar mais da polpulação conhecendo sua familia vendo sua situação tem muito a se fazer e disse Antonio Ermirio de Moraes este mais de 190 milhões de brasieiros que é nossa verdadeira riqueza pois necessitam de tudo principalmente mudanças de comportamento é possivel.

  2. Olá Professor.
    Adoro seu blog e os assuntos que o Sr. aborda por aqui.
    Acredito que assim como eu, muitas pessoas refletem em cima de seus textos e aprendem muito.
    E além de tudo isso, o Sr. nos dá uma aula fantástica de como usar nosso vocabulário que é tão rico, mas que insistimos em ficar no mais simples.
    Parabéns!
    Abraços de uma aluna que nunca irá esquecer seus ensinamentos.

  3. Meu Nobre cade voc~e se calou. 14 37142997

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s