Blog do Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

Cortina de burrice

1 comentário

Cláudio Moura e Castro escreveu um provocador artigo sobre a situação educacional do Brasil. Compara o País à antiga URSS, a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas e a expressão que ficou tradicional na segunda metade do século passado: Cortina de Ferro. Ali, havia interesse do projeto socialista/comunista de impedir que a população soubesse o que acontecia no resto do mundo. Ela precisava permanecer controlada, silente, não exigir os bens da vida acessíveis ao mundo livre. Aqui, o problema é outro. A multiplicação das vagas nas escolas não equivale a uma efetiva consistência na transmissão do conhecimento. O desprestígio à profissão do magistério caminha paralelamente a uma indigência na maior parte da escola pública.

O alunado não sabe ler e isso significa não entender o que está lendo, embora saiba soletrar. É de uma evidente miséria quando solicitado a fazer interpretações, a exprimir oralmente algo que deveria ter assimilado. A deficiência vernacular significa ausência de leitura. Quem lê no Brasil? Sempre os mesmos.

Atrai-se um número de milhares para ouvir os grunhidos de bandas que exercitam algo aproximado a música, mas que é mais percussão e gestual do que harmonia. Não hesitam em permanecer em filas para adquirir ingressos cuja soma seria suficiente para aquisição de pelo menos dez livros.

As bibliotecas estão vazias em sua maior parte. Se os jornais fossem lidos, o resultado de muitas pesquisas seria diferente e, por que não, até mesmo o processo eleitoral.

Pródigo em avaliações, o governo gosta de disciplinar, regulamentar, exigir observância de regras, não abdica da burocracia. Mas não alerta os pais, já eles mesmos fruto desse descalabro, de que a verdadeira educação deve começar em casa. Tudo vai desaguar na mais absoluta falta de ética. Houvesse brio e cada qual iria em busca do conhecimento, nunca antes neste País tão acessível, mas em poucas fases históricas tão desprezado e ignorado.

Haverá esperança para um País que poderia se espelhar na Alemanha, perdedora de duas guerras, nos tigres asiáticos, na Escandinávia, mas que prefere se espelhar em outros exemplos, não tão edificantes e se alinhar com o atraso e o obscurantismo.

 

José Renato Nalini é Desembargador da Câmara Especial do Meio Ambiente do Tribunal de Justiça de São Paulo e autor de “Ética Ambiental”, editora Millennium. E-mail: jrenatonalini@uol.com.br.

 

Anúncios

Autor: Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

Um pensamento sobre “Cortina de burrice

  1. Olá, Professor!

    A situação do ensino em nosso País não é a ideal. Nem mesmo é satisfatória. Existe a responsabilidade do Poder Público e também a da sociedade, segundo penso.

    Enquanto todos estão preocupados em construir um novo estádio de futebol para que São Paulo possa ter jogos na Copa do Mundo que será aqui realizada, e a preocupação é legítima e justa, não percebemos nada no sentido de construir escolas, hospitais, creches etc.

    De certo modo, existe uma acomodação em relação ao estudo. Muitos pensam que as pessoas que estudam são “chatas” e “sem graça”.

    Na mídia, o que vemos com freqüência, são personagens desajeitados, tímidos, que não conseguem fazer nada melhor e por isso dedicam-se ao estudo. Especialmente na fase de ensino básico e médio. A situação é sempre deturpada. Em alguns casos em que há profissionais bem sucedidos (advogados, médicos, professores etc.), são todos neuróticos, infelizes e com problemas de relacionamento. É como se o estudo fosse um estigma nesses filmes. Muito conveniente, até porque quem estuda e se dedica a alguma coisa útil, não tem disponibilidade para assistir filmes e novelas o tempo todo, além de ser mais seletivo com a programação que assite.

    Qualquer assunto mais sério (saúde, educação, segurança, transporte) é problema do governo, não é problema nosso, no entender de muitos.

    Especificamente no campo da educação, observamos que muitos são analfabetos funcionais (como o senhor já comentou anteriormente) e muitos se envergonham de admitir o fato, mas nada fazem para modificar a situação.

    Eu não sou muito otimista com referência a este assunto. Há pais conscientes, mas muitos não o são. Os exemplos que o senhor menciona reforçam este fato. Penso que estudo para todos é uma utopia.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s