Blog do Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

O que restou do Natal?

1 comentário

Dia 25 de dezembro é data reservada a comemorar um natalício. O de alguém chamado Jesus Cristo, filho de Maria e José. Para os cristãos, considerado o Messias. O Salvador. Aquele que, prometido desde tempos imemoriais, encarnaria a missão de resgatar o gênero humano de sua condenação definitiva. Por incidir em orgulho, vaidade e pretensiosa autoestima, a criatura desafiou o Criador. E foi condenada a morrer, a obter o sustento com o suor de seu rosto e a não ter esperança alguma no futuro.

Por puro gesto de amor, abriu-se ao homem a oportunidade de retorno ao projeto divino original. Mas para isso foi necessário que o próprio Deus, encarnando-se, pagasse com Sua vida o tributo desse resgate. Essa a história do Jesus cujo nascimento ontem se comemorou. Sua marca histórica é tão relevante, que a data serviu para iniciar uma nova era. A era da cristandade. Mais de dois mil anos depois, em que se transformou o Natal para a maior parte das pessoas?

Compulsória entrega de presentes. Exigência de gorjetas e de “caixinhas”. Estímulo ao desenfreado consumo. Em todos os sentidos. Comilança e beberagem etílica desenfreada. Correria. Abraços e votos, profusos e pré-fabricados. Perda de espontaneidade num gesto que deveria, a rigor, enfatizar o que significou a chegada à Terra de um Filho de Deus, que ofereceu Sua vida para salvar os homens. O declínio dos valores é uma característica desta fase da História que não sabemos bem como será chamada pelos pósteros. À falta de critérios seguros, ela é designada por “pós-modernidade”.

Dentre os valores em fuga ou em crise, está a religiosidade. Insiste-se em disseminar o ateísmo, quase com a mesma intensidade de um “evangelho agnóstico”. Tudo pode explicar, mas não justificar, que o Natal se converta em comemoração pagã. Os interessados em promover vendas, em movimentar a economia, em festejar, devem inventar outros pretextos. Não servir-se dessa data para objetivos outros que não sejam vivenciar o que significa o aniversário de Jesus Cristo. Cabe a cada um de nós fazer do seu Natal o que ele deve ser e a que objetivos deve efetivamente servir.

José Renato Nalini é Desembargador da Câmara Especial do Meio Ambiente do Tribunal de Justiça de São Paulo e autor de “Ética Ambiental”, editora Millennium. E-mail: jrenatonalini@uol.com.br.

Anúncios

Autor: Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

Um pensamento sobre “O que restou do Natal?

  1. Olá, Professor!

    Deveras, o Natal é uma festa religiosa. Há anos observamos o desvirtuamento do seu verdadeiro significado.

    Por motivo de segurança, não se celebra mais a Missa do Galo, que iniciava as comemorações natalinas.

    A época de reflexão e de sentimento fraterno foi substituída pelo consumismo, pela comilança, por um festival de ostentação que é exatamente o oposto do que se comemora.

    Muitos simplesmente não sabem que comemoramos a vinda de um Menino que trouxe a mensagem do Amor à humanidade. E uma mensagem tão forte e verdadeira que sobrevive até os dias de hoje.

    Cabe aos cristãos não permitir que uma data tão importante seja tranformada em apenas mais um feriado.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s