Blog do Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

Riscos da conurbação

1 comentário

Noticia-se que Jundiaí poderá ser a primeira aglomeração urbana oficialmente reconhecida no Estado de São Paulo. Expressão do fenômeno de conurbação que atingiu quase todo o Brasil e, notadamente, o Estado de São Paulo. Há poucas décadas, o Brasil era um país rural. A maior parcela da população morava no campo. Eram tempos heróicos, em que as famílias formavam autênticas autarquias: viviam de acordo com aquilo que podiam produzir no âmbito de suas propriedades.

A distância dos grandes centros obrigava os moradores da zona rural a serem bastantes em si. Assim é que a economia doméstica incluía o cultivo daquilo que seria consumido pela família, a criação de animais para sustento, a fabricação de vestuário e calçado. As mães de antanho faziam sabão, sabiam fazer pão, fubá, torravam e moíam o café, além de não se descuidarem do treino social da prole. Hoje, tudo é diferente. 

O grande êxodo rural trouxe para a zona urbana milhões de brasileiros. Vivem melhor agora? É muito discutível. É um dado cultural a vontade de estar próximo ao burburinho da cidade, mesmo que se more mal, que se tenha subemprego ou que a distância entre a submoradia e o trabalho seja distante e cansativa. Jundiaí é um exemplo. A antiga Vila Fermosa de Nossa Senhora do Desterro do Mato Grosso de Jundiaí tornou-se um centro regional de relevo.

Muito próximo a São Paulo, congrega meio milhão de habitantes só no município. Mas influencia um conjunto de outras cidades: Itatiba, Itupeva, Cabreúva, Campo Limpo Paulista, Várzea Paulista, Louveira, Vinhedo, Jarinu, Morungaba, Franco da Rocha, Cajamar, Francisco Morato, Jordanésia em mera enunciação de memória. Ora, o que a região tem de peculiar, em relação a outras conurbações? 

A Serra do Japi, o último fragmento de Mata Atlântica intocado nas proximidades da capital. É muito interessante conjugar esforços e centralizar providências que possam otimizar os escassos recursos públicos. Mas é fundamental não descuidar do zelo especialíssimo que merece a vegetação serrana, aquela que torna a região de Jundiaí valorizada e cobiçada. Sem a Serra do Japi, seremos uma periferia como qualquer outra. Acho que ninguém quer isso para nosso berço natal.

José Renato Nalini é Desembargador da Câmara Especial do Meio Ambiente do Tribunal de Justiça de São Paulo. E-mail:jrenatonalini@uol.com.br.

Anúncios

Autor: Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

Um pensamento sobre “Riscos da conurbação

  1. bom dia ouvintes sou de niterói , mas olha aqui todo o risdco de conurbação no brasil atinge são paulo e regi´~oes metropolitanas só se for trânsito ruim pra fugir dos engarrafamentos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s