Blog do Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

Os entraves humanos

2 Comentários

Ninguém há de negar que favela, cortiço e loteamento clandestino fogem ao padrão de beleza imposto pelo consumismo imperante. Por isso é que a escala contemporânea de remoção populacional é imensa. Todo ano, centenas de milhares, às vezes milhões de pobres – tanto os que têm posse legal, como invasores – são despejados à força de espaços do Terceiro Mundo. Os pobres urbanos são nômades, moradores transitórios num estado perpétuo de realocação. São considerados “entraves humanos”, escória da sociedade, lixo social que deve ser extirpado dos olhos sensíveis dos afortunados.

 

Mas isso não resolve o problema dos ambulantes, dos mendigos, dos “moradores de rua”. Por enquanto, prevalece o fracasso dos mecanismos de mercado, da assistência e promoção social e mesmo da segurança privada, que não conseguem impedir essa invasão de pobres. Quem é que consegue limpar, construir e defender ilhas de cibermodernidade em meio a necessidades urbanas não atendidas e ao subdesenvolvimento em geral? Em alguns círculos, a palavra infraestrutura é o novo codinome da eliminação sem cerimônia dos frágeis abrigos dos pobres.

 

O fenômeno encontra-se em vias de recrudescer no Brasil da Copa de 2014 e da Olimpíada de 2016. É legítimo o temor dos pobres ante os eventos internacionais de alto nível. As autoridades são legitimadas a iniciar cruzadas de limpeza da cidade. Os favelados sabem que são a sujeira ou a praga que seus governos preferem que o mundo não veja. E o mundo é mesmo assim. Durante a comemoração da independência nigeriana em 1960, um dos primeiros atos do novo governo foi murar a estrada até o aeroporto para que a princesa Alexandra, representante da rainha Elizabeth, não visse as favelas de Lagos.

 

Hoje é mais provável que os governos melhorem a paisagem das cidades onde a Copa terá lugar mediante outras táticas. Ou será que vai dar tempo de construir um muro entre Cumbica e São Paulo e depois de São Paulo até o Itaquerão, para que os estrangeiros não vejam a fealdade da zona leste? Vasta mancha pobre e cinza, sem verde, sem estilo, sem atenção do Poder Público?

 

José Renato Nalini é Desembargador da Câmara Especial do Meio Ambiente do Tribunal de Justiça de São Paulo. E-mail:jrenatonalini@uol.com.br.

Anúncios

Autor: Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

2 pensamentos sobre “Os entraves humanos

  1. Dr. Renato: cada vez que penso nos megaeventos, há uma nova questão a ser resolvida. Que bom seria, se a preocupação fosse com o cidadão que permanece neste ambiente tão árido. A mentalidade é ainda aquela de ” jogar a sujeira sob o tapete”. São tantos os problemas, que de forma alguma, causaremos uma boa impressão. Uma cidade, como São Paulo, não tem mais verde , pessoas nas ruas pedindo, vide o bairro de Santa Cecília, pronto-socorros lotados e sem estrutura, violência , falta de educação, ética ,enfim…problemas não faltam. Eu ainda acredito no trabalho de cada um de nós, pois assim, pelo menos, fazemos a nossa parte . E fazer a nossa parte, também é exercer a cidadania, reivindicando dos políticos um meio ambiente adequado.

  2. Dr. Renato: medidas efetivas deveriam ser tomadas para melhorar a qualidade de vida da população , mas tenho certeza que o pensamento predominante deve ser de ” como esconder a sujeira sob o tapete “. A impressão que tenho , quando o assunto gira em torno dos megaeventos é que será como no filme : O banheiro do Papa” . É uma pena, pois seria mais uma oportunidade para o poder público e a população mudarem de atitude.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s