Blog do Renato Nalini

Ex-Secretário de Estado da Educação e Ex-Presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo. Ex-Presidente e Imortal da Academia Paulista de Letras. Membro da Academia Brasileira de Educação. Atual Reitor da UniRegistral. Palestrante e conferencista. Professor Universitário. Autor de dezenas de Livros: “Ética da Magistratura”, “A Rebelião da Toga”, “Ética Ambiental”, entre outros títulos.

Vergonha de ser lido?

Deixe um comentário

Conviver com Lygia Fagundes Telles durante as sessões da Academia Paulista de Letras é privilégio que poucas pessoas têm. Orgulho-me disso. Desde 2003, mereço essa graça de ouvi-la. Em condições singulares, pois tenho a honra de trazê-la para casa, já que é minha vizinha. Pois a LYGIA sempre repete que hoje, no Brasil, “todo o mundo escreve. O difícil é encontrar um leitor!”. Há tempos, dizia que eram três as espécies em extinção acelerada: o índio, a árvore e o escritor. Hoje ela substituiu “escritor” por “leitor”.

 

Ao mesmo tempo, alguns intelectuais gostam de escrever de forma complexa, taxando os que são facilmente lidos de superficiais, vulgares, inconsistentes. E se eles cometem o pecado capital de venderem livros, cabem no fosso da crítica. É um pecado vender livro no Brasil! São rotulados como autores de autoajuda, como se isso desqualificasse a obra e o autor. Pois estes dias, Shirley MacLaine de certa forma deu uma resposta a essa postura de quem parece escrever apenas para si mesmo. O repórter de “Encontros com o Estadão” (10.10.11) perguntou: “É correto colocar seus livros nas prateleiras dos esotéricos?”. Ela respondeu: “Sou uma memorialista. Escrevo memórias das minhas experiências e da minha vida. Não me importo em qual prateleira meus livros são colocados. Gosto que sejam colocados na prateleira ao lado da sua cama”.

 

E é isso o que deve preponderar. Chegar ao leitor. Ser compreendido por ele. Encontrar espaço para o livro junto ao antigo “criadomudo” (agora sem hífen?). Quisera ser um Paulo Coelho de minha ética, pois essa a matéria-prima de que o Brasil se ressente. Graças a livros que todos entendem, Padre Marcelo Rossi abreviou a construção do Santuário do Terço Bizantino, que abrigará mais de 100 mil fiéis a partir de 1º de dezembro de 2011. Vendeu mais de 7 milhões de seu livro “Ágape”, prefaciado por Gabriel Chalita, que também é cercado de carinho e de assédio em cada lugar público. Tive a oportunidade de comprová-lo no dia da Padroeira, seja em Interlagos, seja em Aparecida do Norte. É fácil ser complicado. O difícil é ser simples e, mesmo assim, semear sementes viáveis no solo fértil das boas consciências.

 

 José Renato Nalini é Desembargador da Câmara Especial do Meio Ambiente do Tribunal de Justiça de São Paulo. E-mail: jrenatonalini@uol.com.br.

Anúncios

Autor: Renato Nalini

Ex-Secretário de Estado da Educação e Ex-Presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo. Ex-Presidente e Imortal da Academia Paulista de Letras. Membro da Academia Brasileira de Educação. Atual Reitor da UniRegistral. Palestrante e Conferencista. Professor Universitário. Autor de dezenas de Livros: “Ética da Magistratura”, “A Rebelião da Toga”, “Ética Ambiental”, entre outros títulos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s