Blog do Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

Ruptura e contiguidade

1 comentário

Estudei o ano todo de 2011 para elaborar o livro “Direitos que a Cidade Esqueceu”, editado pela Revista dos Tribunais. Estou convencido de que os problemas brasileiros são urbanos. A população foi seduzida para vir à cidade e aqui se acomoda como Deus – e a sociedade inclemente – permitem. Há cada vez mais pessoas morando nas ruas. E isso é inconcebível. Rua não é moradia digna.

Para elaborar esse ensaio, debrucei-me sobre inúmeros outros livros. Mas alguns deles, só tive acesso depois de publicado o meu. É o caso de “A cidade na incerteza: ruptura e contiguidade em urbanismo”, de Sérgio Ferraz Magalhães, editado em 2007.

Ele parte de um esquema teórico: na matriz horizontal, distingue as cidades entre “modernas” e “contemporâneas”. Na vertical, distingue as dimensões espacial e política. A “cidade moderna” é enquadrada nos modelos de perfeição, à luz de utopistas como Fourier, Considérant, Godin e Owen. A “cidade contemporânea” reúne modelos de incertezas em que a dimensão política reflete urbanidade e diversidade, graças a uma construção “compartilhada”. 

Em lugar da ruptura da cidade moderna, surge o conceito de “contiguidade”, essencial para trabalhar a cidade. O conceito implica uma concepção de simultaneidade e de espaço aberto e permanentemente remanejável. Surgem ocupações espontâneas – favelas – mas também planejadas – construções de equipamentos públicos. Cada “inserção” traz consigo um momento de incerteza, podendo ou não “dar certo”. As estruturas preexistentes se redefinem, rearranjam, se adaptam e compartilham os espaços preexistentes. 

Não é só teoria. O autor propõe compartilhar espaços na diversidade e tolerância, algo que acarreta incertezas, conflitos, desigualdades. Supera-se a “cidade partida” de Zuenir Ventura, aceitando-se e integrando-se a diferença. Graças à noção de “contiguidade”, podem ser buscadas soluções para os mais diversos problemas, a fim de se garantir a urbanidade e a convivialidade dos que são diferentes. 

Se a pobreza e a riqueza partilham do mesmo espaço, a contiguidade traz a obrigação de conviver e não de segregar. Isso é um lento trabalho de edificação de uma nova concepção de convívio urbano. Mãos à obra, edificadores do futuro.

José Renato Nalini é Corregedor Geral da Justiça do Estado de São Paulo, biênio 2012/2013. E-mail: jrenatonalini@uol.com.br.

Anúncios

Autor: Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

Um pensamento sobre “Ruptura e contiguidade

  1. Adotamos a concepção horizontal de moradia, própra de países pequenos e com grande população, quando podemos utilizar o pensamento dos USA, com os subúrbios, pois possuímos espaços não ocupados….

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s