Blog do Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

Crescer até onde?

1 comentário

O Tribunal de Justiça de São Paulo tem 91% de seu orçamento destinado a pagamento de pessoal. Tem 360 desembargadores, cerca de 2400 juízes de primeiro grau, quase 60 mil servidores. Os 9% restantes da lei orçamentária são – à evidência – insuficientes para todas as demais necessidades do Judiciário. A tendência da Justiça bandeirante é o crescimento vegetativo até o infinito. As pretensões reiteradas pelos magistrados são as de obter mais funcionários. 

Não apenas porque existe uma tradição de que o prestígio do juiz se avalia pelo número de subordinados sobre os quais ele exerce autoridade. Mas porque não se encontrou uma fórmula de otimização do trabalho, de maneira a “fazer mais com menos”, adotar métodos de gestão mais racionais, eliminar fluxos e trâmites ociosos e adotar um padrão de unidade judicial mais eficiente do que o atual. Só que não tem sido essa a orientação do Tribunal de Justiça.

Gestões muito reduzidas – bienais – não permitem a adoção de planos ambiciosos. Cada nova administração reinventa a roda. E os projetos em curso pela Assembléia Legislativa dão conta de que a tendência é inflar o quadro funcional do Tribunal. Se todos os projetos de lei ora submetidos à Assembléia Legislativa em relação ao interesse do Tribunal de Justiça forem aprovados, serão criados 6.481 novos cargos. O quadro de servidores se aproximará dos 70 mil! 

O que se fará da Lei de Responsabilidade Fiscal? Qual o orçamento necessário à manutenção dessa máquina crescente e complexa? No momento em que o Judiciário tiver um quadro funcional como o das mais nutridas Secretarias do Estado, o tratamento salarial aos funcionários não poderá reconhecer a relevância de suas funções. É essencial que a sociedade toda pense a respeito. 

Que Judiciário pretendemos? A informatização disponível é obrigatória ou facultativa? Estamos satisfeitos com estes parâmetros de serviço judicial? Quem paga é o povo. Ele tem não só o direito, como a obrigação de se posicionar. Quer um Judiciário cada vez maior e menos funcional ou uma Justiça que funcione, atualizada e adepta das novas tecnologias?

José Renato Nalini é Corregedor Geral da Justiça do Estado de São Paulo, biênio 2012/2013. E-mail: jrenatonalini@uol.com.br.

Anúncios

Autor: Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

Um pensamento sobre “Crescer até onde?

  1. Realmente muita coisa ainda precisa mudar. Muita..

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s