Blog do Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

O que é mais fantástico?

2 Comentários

Sempre acreditei num design inteligente para este mundo. Não me atrai a ideia de que de uma explosão tenha resultado esta ordem que deflui de leis perfeitas, que só aos poucos a mente humana vai desvendando. Para simplificar, uso a imagem de um puzzle, aquele quebra-cabeças com 5 mil peças. Custo a crer que, arremessado para cima, ao cair forme – espontaneamente – o desenho perfeito. Cada peça a se encaixar na outra, sem a intervenção de qualquer inteligência. Humana ou sobre-humana. 

Quando fui assistir, no ano passado, a Alain de Botton em sua conferência no projeto “Fronteiras do Pensamento”, meu amigo Pierre Moreau me propiciou conhecê-lo. Após assistir a sua fala sedutora, a mostrar os benefícios que o Cristianismo legou à civilização, indaguei porque não ficava com o “pacote inteiro”. Ou seja: ele afirmou que a religião promovera obra magnífica em termos artísticos. 

O que seria do mundo sem as pinturas, as esculturas, as músicas produzidas pelo cristianismo? Também graças à religião, a humanidade aprendera a se organizar, a viver comunitariamente, a disseminar concepções de vida. A educação religiosa ainda hoje é um nicho de excelência, diante da evidente incapacidade estatal de treinar pessoas para serem felizes. Ora, se a religião é artífice de tantos benefícios, por que já não incorporá-la com a ideia que fomentou tudo isso, ou seja, o próprio Deus? 

Por que se aproveitar de tudo o que o Cristianismo legou ao mundo e afastar Deus desse projeto em curso e, à evidência, tão exitoso? Agora encontro um argumento a mais a favor do criacionismo. Acabo de ler “Bauman sobre Bauman”, um diálogo levado a efeito na primavera e verão do ano 2000. Keith Tester, estudioso de Bauman, o instiga a falar de si e do mundo. Lá pelas tantas, Zygmunt Bauman diz: “Admito que, como uma história da passagem do nada ao ser, acho a narrativa do “big bang” muito mais pobre que a história do trabalho de Deus em seis dias.

E menos esclarecedora. Não há nela um personagem para nos informar, após frações do primeiro segundo, se aquilo que emergiu do puro “nada” era bom ou mau”. Não precisava dessa confirmação. Mas fico mais confortado, porque um dos mais instigantes pensadores contemporâneos também não se convence da tese ateísta, propagada qual verdadeiro evangelho por aqueles que não creem e, não satisfeitos, querem que o mundo inteiro também perca a fé.

José Renato Nalini é Corregedor Geral da Justiça do Estado de São Paulo, biênio 2012/2013. E-mail: jrenatonalini@uol.com.br.

Anúncios

Autor: Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

2 pensamentos sobre “O que é mais fantástico?

  1. Caro Nalini, em adendo ao seu brilhante artigo recomendo a leitura do importante livro “Como a Igreja Católica Construiu a Civilização Ocidental”, de Thomas E.Woods Jr., publicado pela Quadrante. Abraços

  2. A realidade não precisa ser acreditada ou desacreditada, simplesmente acontece, querendo você ou não, nem se todos os homens de fé orarem para uma moeda não cair no chão após ser jogava no ar, a gravidade irá fazer teu papel!

    Para um crente, a verdade é apenas uma alegoria, o mais importante é a fé, querer ser mais especial que uma estrela é simplesmente ter fé e demonstrar fraqueza e necessidade de consolo, pois até até estrelas tem um fim, mas o religioso acha que a vida não é só “isto”, nascer, crescer, viver, passar por todos os tipos de emoções e até mesmo deixar um legado para futuras gerações!

    “A fé não é racional, é emocional. Crentes reagem emocionalmente quando sua fé é contestada. No fundo de suas mentes, sabem que acreditam num mito e têm medo de que sua crença desabe na presença da lógica. É por isso que diferenças religiosas levam à guerra, mas não à Aritmética. Quanto menos evidência existe em favor de uma ideia, maior a paixão, maior a violência.” — Bertrand Russell

    “É verdade ou não (sobre Deus). Se for verdade você deveria acreditar.
    Se não for, você não deveria. E se você não consegue descobrir se é verdade ou não, deveria suspender o julgamento. É uma grande desonestidade, uma traição à integridade intelectual ter uma crença porque você pensa que ela é útil e não porque você pensa que é verdadeira.” (Bertrand Russell – matemático e filósofo inglês)

    Ateísmo (Ateísta)
    Finalmente posso olhar para o mundo e dar valor ao que vejo: o próprio mundo. E percebi que a vida continua bela e linda, mesmo sendo breve e única.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s