Blog do Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

Todos têm voz

1 comentário

Quem trabalha com o público sabe que nem todos os que ousam falar são os que têm a melhor coisa a dizer. Numa classe, por exemplo, há sempre alguns tímidos que não se manifestam. Às vezes, sua contribuição seria mais produtiva do que a dos audazes, que sempre levantam a mão e, não raro, fazem observações impertinentes. Os Estados Unidos já se utilizam de um instrumento que dá voz a toda uma classe. 

Ele se chama “clicker” e é um aparelho portátil sem fios e com poucos botões, utilizado em auditórios. Os professores solicitam seu uso para anotar presença, em votações instantâneas e em testes de múltipla escolha. Reuniões de trabalho também se servem dos clickers para apurar de imediato o resultado de pesquisas em slides de power point. Seu uso atingiu ainda quartéis, igrejas, navios de cruzeiro, clínicas e todos estão satisfeitos com os resultados.

O clicker é eficiente, respeita o ambiente e permite que o usuário imite os participantes de “games shows” na televisão. Nas viagens de navio, os passageiros se entusiasmam porque podem avaliar instantaneamente um debate e mostrar seu vencedor. Descobrir como todos estão pensando é divertido e orienta as futuras apresentações. Com o clicker, todas as vozes são importantes e se as pessoas percebem que suas opiniões são levadas a sério, se desinibirão e passarão a emitir sua vontade com frequência maior. 

Este sistema de resposta da audiência tem larga utilidade numa sociedade em que checar a opinião da multidão é a norma. É uma nova maneira de transparência para a psicologia das multidões e poderia servir ao governo, em audiências públicas ou grandes concentrações. 

Com isso, treinar-se-ia o cidadão a participar e a tornar concreta a promessa do constituinte de uma Democracia Participativa, que não pode prescindir da efetiva atuação de todas as vontades. É lógico que muitos arrogantes e cheios de si, que alardeiam uma legitimidade advinda do consentimento da maioria, ficariam surpresos ao verificar que não é bem assim. Mas se adquirissem humildade e procurassem aferir a efetiva vontade do povo, todos ganhariam com isso. Por que não começamos a usar o “clicker”?

José Renato Nalini é Corregedor Geral da Justiça do Estado de São Paulo, biênio 2012/2013. E-mail: jrenatonalini@uol.com.br.

Anúncios

Autor: Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

Um pensamento sobre “Todos têm voz

  1. Desconhecia e apreciei muito a ideia… pode gerar bons frutos, enquanto alguns audazes e criativos seres humanos, não descobrirem um modo de burlar a contagem ou de comprar os votos… e olhe que sou uma eterna otimista!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s