Blog do Renato Nalini

Ex-Secretário de Estado da Educação e Ex-Presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo. Ex-Presidente e Imortal da Academia Paulista de Letras. Membro da Academia Brasileira de Educação. Atual Reitor da UniRegistral. Palestrante e conferencista. Professor Universitário. Autor de dezenas de Livros: “Ética da Magistratura”, “A Rebelião da Toga”, “Ética Ambiental”, entre outros títulos.

Para que PIB sem saúde?

Deixe um comentário

Os chineses têm mais juízo do que os brasileiros. Ao menos é o que se extrai da medida adotada pelas autoridades de Guangzou, metrópole repleta de carros, que teve a coragem de inibir a entrada de novos automóveis no seu trânsito caótico. A providência foi introduzir leilões e loterias para placas de licenciamento. Isso reduzirá quase à metade o número de carros novos nas ruas. 

É a mais restritiva dentre as iniciativas adotadas por grandes cidades chinesas que optaram pela qualidade de vida, embora em detrimento da economia. O crescimento da China trouxe um ar empesteado e uma água suja. Isso tem reflexo nos custos da saúde. Mesmo com a tendência de desaceleração da economia, houve maturidade do governo. É preciso renunciar a algum crescimento para se obter uma saúde melhor para o cidadão.

A par disso, exige-se um diesel e uma gasolina mais pura. Fecham-se fábricas poluidoras que não se adaptam a níveis suportáveis de emissão. São destruídos carros fabricados antes de 2005, pois não atendiam a um controle de qualidade compatível com a gravidade da situação ambiental. A China reconheceu que o crescimento a qualquer custo não é sustentável. Ouviu o clamor do povo, insatisfeito com o exagero na ocupação das ruas pelos automóveis, a subserviência da saúde aos imperativos da economia. 

Diante da insatisfação pública com o tráfego, a prefeitura de Guangzou construiu extensas linhas de metrô, multiplicou os parques, edificou enorme teatro de ópera. Há uma lição a se extrair desse fato. A China não é mais uma economia em desenvolvimento que adotou um capitalismo tosco e continua comunista no nome. É uma economia industrializada moderna, cujos líderes sabem ouvir a opinião pública e buscam equilibrar meio ambiente, bem-estar social e outras questões. 

As autoridades estão mais interessadas no meio ambiente depois de enormes manifestações no ano passado contra fábricas poluidoras em Dalian, Shifang e Qidong. Tudo ali é mais fácil porque o governo também é dono das empresas automotivas. Não é refém delas, como em outros países. Está certo o chinês que hoje reconhece: “Para que precisamos de PIB, se não temos saúde?”.

José Renato Nalini é Corregedor Geral da Justiça do Estado de São Paulo, biênio 2012/2013. E-mail: jrenatonalini@uol.com.br.

Anúncios

Autor: Renato Nalini

Ex-Secretário de Estado da Educação e Ex-Presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo. Ex-Presidente e Imortal da Academia Paulista de Letras. Membro da Academia Brasileira de Educação. Atual Reitor da UniRegistral. Palestrante e Conferencista. Professor Universitário. Autor de dezenas de Livros: “Ética da Magistratura”, “A Rebelião da Toga”, “Ética Ambiental”, entre outros títulos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s