Blog do Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

Programa de índio

Deixe um comentário

Dom Pedro Casaldáliga é bispo emérito de São Félix do Araguaia, no Mato Grosso, e inimigo declarado daqueles que pretendem acabar com o remanescente indígena do Brasil. Sua história é a da insegurança que persegue aqueles que se opõem a uma só e reducionista visão de desenvolvimento. 

Além dele, outras lideranças indígenas e agentes da pastoral estão ameaçados desde que o Incra iniciou o processo de desintrusão da área hoje chamada Gleba Suiá Missu. Essa área está situada entre os municípios de São Félix do Araguaia, Alto Boa Vista e Bom Jesus do Araguaia. Estudos antropológicos comprovam que o povo Xavante ocupava o território muito antes dos primeiros não índios lá chegarem. 

Em 1966 os índios foram levados em aviões da FAB para 400 quilômetros além. Dois terços da população indígena foram dizimados por sarampo. Em 1980, as terras foram adquiridas pela petrolífera italiana Agip Petróleo, que veio a ser internacionalmente pressionada a devolver o território a seus donos. Em 1992, durante a Eco do Rio, a empresa se comprometeu a devolvê-lo. 

Mas os grandes fazendeiros se opuseram. Pressionado pela comunidade internacional, o Governo Brasileiro em 1998 reconheceu a propriedade legítima do povo indígena, o que restou registrado em cartório. Mas só em 2010 é que a Justiça Federal determinou, em decisão unânime, a saída dos não-índios dessas terras. 

Durante todo o tempo dessa epopeia, D. Pedro Casaldáliga permaneceu ao lado dos índios. Mas sofreu as consequências disso. É um candidato a se tornar outro Chico Mendes, ou irmã Dorothy Stang, ambos assassinados pela cupidez de quem quer mais terras do que consegue administrar. Quando o Brasil foi descoberto, inúmeras nações indígenas aqui estavam e o território não havia sido dizimado como hoje, inteiramente descaracterizado, a mata destruída, a água poluída, a atmosfera conspurcada. 

Quase todas as etnias desapareceram. Restam poucos índios, como os guarani kaiowás, os pataxós, os tupinambás, os tembés. Menor ainda o número de quem se atreve a defendê-los. A maior parte dissemina as versões de que o índio quer motosserra, vende minérios para estrangeiros, fala inglês. Quase ninguém, como D. Pedro Casaldáliga, tem coragem de reconhecer que não se está entregando terra ao índio. É mera devolução do território ao seu dono.

JOSÉ RENATO NALINI é Corregedor Geral da Justiça do Estado de São Paulo, biênio 2012/2013. E-mail: jrenatonalini@uol.com.br.

Anúncios

Autor: Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s