Blog do Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

Os mortos e os vivos

1 comentário

Já ouvimos muitas vezes essa afirmativa. Somos a continuidade daqueles que se foram. Não inventamos nada. Apenas prosseguimos na caminhada. Valemo-nos de uma longa e incansável construção do marco civilizatório. Quando procuramos mudar tudo, quase sempre nos arrependemos.

Alguns há que repudiam o passado. Mas renegar aquilo que se fez e que nos comanda é perigoso. Veja-se o que se pretende em termos de legislação. Reescrever a Constituição, para que ela abrigue novos valores. Os atualmente inscritos no pacto federativo foram eleitos pelos constituintes que nos representaram. Eles estavam pensando para o futuro. Se viermos a alterar a aliança que nos mantém unidos, estaremos também atuando para o porvir. E a mudança logo será passado. 

Esse dilema passou pela cabeça dos Pais Federalistas dos Estados Unidos. Madison perguntava: “Se podemos estabelecer que gerações subsequentes tratarão com soberano desprezo nossas escolhas feitas pensando no futuro, por que haveríamos de pensar mais no futuro do que no passado?”. 

A resposta é dada por John Elster e sob a forma de paradoxo: cada geração deseja ser livre para obrigar as suas sucessoras, sem estar obrigada por suas predecessoras. É da natureza humana considerar-se imbatível, a geração mais correta, menosprezando as anteriores. Hoje, os tempos nos conduzem a isso: uma criança do século 21 sabe mais do que um sábio do século 14. Mas deveríamos prestar mais atenção ao passado. Já fomos melhores e não faz muito tempo. É só olhar São Paulo. 

A cidade está tomada por drogados e infelizes seres humanos que ocupam todos os espaços, vivendo nas ruas, ali defecando, consumindo entorpecente, procriando. Não há mais cartões postais em São Paulo. Só o retrato do fracasso das políticas sociais. O drama da exclusão, que alguns defendem como “o direito de morar na rua”. Como se isso fosse dignidade humana.

Não era isso que os mortos queriam. Eles deixaram marcas e diretrizes, sem a intenção de nos governar. Mas seus ensinamentos nos facilitariam governar-nos a nós próprios. Parece que não conseguimos assimilar essa herança.   
 
* JOSÉ RENATO NALINI é Corregedor Geral da Justiça do Estado de São Paulo, biênio 2012/2013. E-mail: jrenatonalini@uol.com.br.
Anúncios

Autor: Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

Um pensamento sobre “Os mortos e os vivos

  1. Se pelo menos uma grande parte da populaçao enxergasse essa realidade como esse grande pensador Jose Renato Nalini, poderíamos olhar pro passado e fazer melhor. porque nada mudou pra melhor. Estamos apenas nos enganando. Melhorar tecnologia nem sempre significa melhorar a vida e as pessoas se esquecem que na verdade é a única coisa que importa, pois sem ela nada tem valor, pelo menos aqui na terra.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s