Blog do Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

Nefasta monocultura

2 Comentários

Em visita a inúmeras comarcas do interior, tenho testemunhado a tragédia da monocultura. Região próspera e de tradicionais minifúndios, a circunvizinha a Ribeirão Preto está a padecer desse flagelo. Em contato com o prefeito de uma das mais tradicionais cidades, cujo nome omito para evitar a patrulha que poderia vir a sofrer, dele obtive um relato estarrecedor. 

O município era uma família. Todos praticamente se conheciam. A maior parte possuía pequenas propriedades quase verdadeiras autarquias. Tinham um pequeno gado, para o consumo de leite e fabricação de manteiga e queijo. Um bom galinheiro, fornecedor de ovos e de frango caipira. Um bom pomar, uma horta, quase tudo o que era necessário para uma vida próspera e decente. 

De repente, vêm os canaviais. Os sitiantes arrendam suas terras e ficam à mercê do preço imposto pelo agronegócio. Aos poucos, dilapidam seu patrimônio. Vendem o pouco que resta de seu patrimônio, os sítios são deformados e cedem espaço integral ao “verde mar do progresso”. 

Muitos partem para as periferias da metrópole. Adeus vida campestre. Adeus zona rural. Agora é sofrer na insensatez desumana dos grandes centros. 

Em compensação, os trabalhadores rurais importados de outras regiões trazem endemias, hábitos estranhos à pequena comunidade, o uso do crack. Infelizmente, e isso é notório, a droga já contaminou a juventude do campo e deixa as sequelas conhecidas. 

O vício é de mais fácil disseminação do que a virtude. Adolescentes engravidam de dependentes sem raiz e sem família. Esse é o preço do “progresso” para quem trocou a policultura pela cana-de-açúcar. Sabor amargo daquilo existe exatamente para produzir a doçura. Efeito perverso de opções tomadas pelo interesse econômico, que desconhece outros critérios.  

Incrível como a humanidade avança em ciência, conhecimento e tecnologia e continua a tatear em ética e sabedoria. 

O mundo nasceu exuberante e com plúrima e bilionária biodiversidade. O homem teima em padronizar aquilo que cresce sobre o solo, sem aprender com os incessantes e cada vez mais audíveis protestos do Planeta. Ficamos cegos, surdos e, infelizmente, cada vez mais ignorantes. 

JOSÉ RENATO NALINI é Corregedor Geral da Justiça do Estado de São Paulo, biênio 2012/2013. E-mail: jrenatonalini@uol.com.br.

Anúncios

Autor: Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

2 pensamentos sobre “Nefasta monocultura

  1. Paulistana, estou morando no interior do estado. O retrocesso agrário também chegou por aqui e pelas redondezas e ainda com o agravante da disseminação das penitenciárias. Agora, grande parte dos habitantes trocaram o trabalho na lavoura pelo da carceragem.

  2. OS SENHORES JUÍZES Brasileiros (JUSTIÇA), Precisam saber que o Povo Brasileiro (Iguapenses), Fizeram todos os tramites legais . Se a justiça não fizer sua parte a responsabilidade não será nossa ,será da justiça,o povo não aguenta mais, tanta corrupção!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s