Blog do Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

Periferia não gosta de verde

1 comentário

Ouvi de duas autoridades que, presumivelmente, conhecem bem o assunto, que não adianta querer plantar árvores em ruas da periferia cor de cinza da metrópole. Isso porque a periferia detesta árvores. 

O primeiro, ambientalista, disse que as árvores comprometem a segurança. Representam esconderijo para a malandragem que, protegida pelos troncos, aguarda incautos para roubar. 

O outro, detentor de função pública, disse que o pobre não gosta de árvore porque ela arrebenta o passeio e depois ele se vê obrigado a consertar. Além disso, a árvore deixa cair folhas, faz com que a dona de casa tenha de varrer o passeio. “Faz sujeira! Melhor cimentar tudo!”. 

Desanimador pensar que isso possa ser verdade. Será que a periferia prefere continuar sem árvores, sem verde, sem pássaros, nas “ilhas de calor” que favorecem a péssima qualidade de vida, exacerbam sentimentos negativos como depressão, aumentam a violência pois fazem as pessoas perderem sensibilidade? 

Um projeto interessante de fazer com que as escolas mantivessem hortas e pomares, cuidassem dos terrenos baldios para fazer nichos verdes, estimulassem os inúmeros “Jardins” que não têm árvores a serem, efetivamente, “Jardins”, fica paralisado quando quem entende aposta que o pobre não quer árvores em seus bairros. 

A única esperança é motivar as crianças e fazer com que elas compreendam que a falta de verde é também um dos grandes problemas das cidades.  

Hoje, quase todo brasileiro mora na cidade. Mas mora mal. Se houvesse mais árvores, haveria maior escoamento da água, menos enchentes, menos insolação, menos “ilhas de calor”, que os professores já devem ter mencionado aos alunos como um dos nefastos fenômenos atuais. 

É triste acreditar que os moradores das regiões mais inóspitas sejam os primeiros a abominar qualquer tentativa dos poderes públicos para tornar mais ameno o bairro, mais colorido, mais humano, mais vivo e mais feliz. Não consigo acreditar que isso seja verdade. Mas se for, o Brasil está muito mais pobre do que se imagina. 

* JOSÉ RENATO NALINI é Corregedor Geral da Justiça do Estado de São Paulo, biênio 2012/2013. E-mail: jrenatonalini@uol.com.br.

Anúncios

Autor: Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

Um pensamento sobre “Periferia não gosta de verde

  1. Concordo com V. Exa. Dr Nalini. Tenho uma árvore frondosa enfrente da minha casa,moro em Pindamonhangaba SP,e ouço reclamações dos vizinhos a cerca das pequenas folhas que são derrubadas com o vento,no entanto no calor ,sua sombra é disputadíssima pelos motoristas,que são os mesmos que reclamam…..Se eu pudesse plantaria na rua toda,Entremos numa batalha de conscientização de mais verde pelas cidades,menos calor,e maior economia de energia gasta com ar condicionado……Luta utópica,mas toas as lutas não os são???
    Respeitosamente,uma boa noite

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s