Blog do Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

Gilberto bem de perto

2 Comentários

As biografias “autorizadas” nem sempre satisfazem o leitor. A voracidade da cultura consumista gosta mais de episódios picantes, do exótico e do folclórico. Não suporta elogios. Por isso é que ao surgimento de um livro que relata uma vida, se o biografado concordou, existe uma natural desconfiança. Isso é hagiografia – vida de santo – e não biografia. 

Só no registro recente, foi o que aconteceu com o livro que retrata Lily Safra, já ocorreu com Roberto Carlos e agora se renova com as críticas à obra “Gilberto bem perto”, de Regina Zappa. O jornalista Luiz Fernando Vianna assinala a dependência de Gil sob duas formas: a primeira é que o eixo da narrativa são as falas dele, em várias entrevistas. A segunda desperta insatisfação por algumas escolhas. O capítulo “No Ministério da Cultura”, sobre os anos 2003-2008, só é mencionado o feitio ufanista. Também discutível a opção por 8 páginas para falar de Flora, sua mulher atual. E por que não falar do suicídio do parceiro Torquato Neto, que foi apaixonado por Elis e outras passagens?

Gilberto Gil é um personagem exuberante. Poucos sabem que ele se vinculou a Jundiaí, de certa forma por reflexo, quando trabalhou na Gessy Lever em Valinhos. Era amigo e companheiro de apartamento de outro Gilberto, o Giba, que também tocava violão e era irmão do Delega. Foi por apresentação de Gilberto Fraga de Novaes que muitos de nós conheceram Gil. Ele sempre queria tocar violão e nem sempre dávamos a ele a atenção devida. 

Hoje, quatro casamentos depois, oito filhos, depois de intensa participação na vida musical e cultural brasileira, o Gil talvez nem se lembre de ter conhecido Jundiaí na década de sessenta. O importante é que nos lembramos dele e do seu amigo Caetano, aquele baianinho quieto e cabeludo, da Gracinha, que também tinha cabelo armado e veio a se tornar famosa como Gal Costa.

O livro editado pela Nova Fronteira é muito bom. Para os de minha geração, recupera tempos idos e vividos, os festivais da Record, a bossa-nova, o autoritarismo de que nem sempre nos dávamos conta. A irreversível passagem dos anos, que voam rápidos e nos dão conta de que a vida se esvai.   
JOSÉ RENATO NALINI é Corregedor Geral da Justiça do Estado de São Paulo, biênio 2012/2013. E-mail: jrenatonalini@uol.com.br.
Anúncios

Autor: Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

2 pensamentos sobre “Gilberto bem de perto

  1. Gostei tanto deste texto que salvei em meus arquivos. Eu nem imaginava o link de Gil com esses garotos de Jundiaí. Saudades do Gil daqueles tempos. Depois que ele se tornou ministro da Cultura, ficou antipático.

  2. respeitosamente, discordo do antipático !!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s