Blog do Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

De volta ao campo

3 Comentários

O Itesp, Instituto de Terras do Estado de São Paulo, presidido por Marcos Pilla e vinculado à Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania, efetua notável trabalho de valorização do trabalhador rural. 

Além da regularização fundiária, política pública para a qual a Corregedoria Geral da Justiça ofereceu prioridade no biênio 2012-2013, há um projeto em curso que pode mudar a face do Estado de São Paulo. 

Já comentei que a visita a praticamente todas as comarcas paulistas me deixou entre entusiasmado e assustado. Entusiasmado por verificar que, nada obstante condições adversas, há um funcionalismo devotado a realizar o justo concreto. 

Assustado porque São Paulo se transformou em enorme canavial, entrecortado de penitenciárias. Foi o que me levou a escrever “Cana & Cana”, valendo-me da polissemia do vernáculo. Cana é o vegetal do qual se extrai açúcar e o milagroso etanol, mas é também sinônimo de cadeia, de cárcere, de prisão. 

A vocação paulista de pequenas propriedades rurais que denominamos “sítios” cedeu lugar ao arrendamento de terras para o plantio da cana-de-açúcar. Inclemente, o processo de conversão de toda terra fértil em canaviais derruba pomares, hortas, currais, cocheiras e mesmo a residência familiar. Confesso meu temor de que o custo social dessa estratégia não compense a promessa de obtenção imediata de grandes lucros. 

Mas o Itesp realiza um trabalho de retorno da família agricultora ao campo. Incentiva a cultura de vegetais que são adquiridos pelas penitenciárias, garantindo o escoamento da safra e permitindo a permanência do rurícola na zona de produção. Isso é fundamental para que se resgate a mais valia da vida na roça, natural e liberada do ar empesteado das cidades, construídas para automóveis e não para seres humanos. 

Essa política pública precisa ser disseminada, reforçada e consolidada. Só assim São Paulo voltará a ter certo equilíbrio, muito diferente da situação contemporânea, em que seres humanos habitam os desvãos das vias públicas, “moram” na rua, onde praticam todas as suas necessidades, fornecendo espetáculo deprimente e incompatível com o princípio da dignidade da pessoa humana. Força ao Itesp e nossos cumprimentos a Marcos Pilla e à Secretária Heloísa Arruda. 

* JOSÉ RENATO NALINI é presidente do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo para o biênio 2014/2015. E-mail: jrenatonalini@uol.com.br. Visite o blog no endereço https://renatonalini.wordpress.com e dê sua opinião sobre seus artigos

Imagem

Anúncios

Autor: Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

3 pensamentos sobre “De volta ao campo

  1. Excelente iniciativa

  2. Corretíssima sua análise, presidente Nalini. Eu que vivo no oeste paulista sei o quanto a nos é caro esse tema da regularização fundiária, pelo qual tanto me empenhei quando fui presidente da OAB e posteriormente Conselheiro Estadual. O trabalho do ITESP deve ser louvado desde a gestão do querido amigo Gustavo Ungaro, que recebeu sequência e avanços com Marcos Pilla, outro grande companheiro. A vastidão da cana se faz sentir por estas paragens também, Dr. Nalini. Várias fazendas de pecuária estão arrendadas ao plantio de cana, um combustível ecológico e renovável. Mas não há dúvida que a monocultura é sempre um perigo para o desenvolvimento econômico de qualquer região. Se falir todos pagam um alto preço e de uma só vez. Também temos a outra Cana, várias nesta região, mas apesar dos pesares, mais ajudam do que atrapalham. Inegavelmente são empresas que se instalam, pois consomem no mercado legal, os funcionários vestem, calçam, estudam os filhos, alugam casas, compram nas lojas, enfim, fazem a economia girar. Conheço vários assentamentos nesta região, guiados pelo ITESP, que deram bons resultados, fixando o homem no campo. Não sei se estariam vivendo bem, com a mesma qualidade, se estivessem na cidade, com a carência de emprego que existe.Mas realmente, parabéns ao ITESP, ao Marcos Pilla e à secretária Eloisa Arruda pelo belo trabalho que desenvolvem.

  3. Doutor Nalini,
    tenha certeza que gosto muito de sua postura democrática. Tenho a honra de compartilhar de sua opinião através de crônicas e postagens nas redes sociais. Porém, peço que reflita sobre a separação “umbilical’ do homem do campo e do homem do litoral imposta pelos Tribunais paulistas.
    Se um é bem-vindo, porque o outro é execrado?
    http://www.mongue.org.br/blongue/?p=245

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s