Blog do Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

Deus no Divã

2 Comentários

Irene Ravache e Dan Stulbach, sob a direção de Elias Andreato, são os atores da peça “Meu Deus!”, em cartaz no Teatro Sérgio Cardoso. O texto é de Anat Gov, dramaturga nascida em Tiberíades, Israel, em 1953 e falecida em 2012. Escreveu também “Final Feliz”, teatralizando a experiência de ter contraído câncer. Em lugar de lutar, o personagem sucumbe à doença e recusa a quimioterapia, preferindo qualidade de vida.

Assisti a “Meu Deus!” e já esperava uma performance fabulosa dessa dupla. Sou fã de Irene Ravache desde que ela protagonizou “Beto Rockfeller”, desempenhando o papel de irmã do próprio, o Luiz Gustavo. Ainda a associo ao seu tema, o “Here, There and Everywhere”, celebrizado pelos Beatles e uma das mais lindas músicas já produzidas.

O assunto da peça é o cansaço de Deus. Ele resolve fazer terapia por estar deprimido nos últimos 2 mil anos. Espera que a psicóloga Ana o ajude a trabalhar com isso. Até mesmo os mais ortodoxos gostarão do que vão ouvir. Se fosse para enumerar as razões da depressão divina, sob a nossa mísera régua de avaliação, até que Ele teria todos os motivos para se desencantar com a espécie.

O bicho-homem é o mais estranho, o mais inesperado, o mais egoísta, o mais ingrato e o mais insensível que existe sobre a face deste Planeta. Presunçoso, pretensioso, pensa que vai viver eternamente e parece não ter compromisso algum com aqueles que continuarão na Terra depois que ele partir. No seu imediatismo, custa-lhe pensar que a Humanidade sobreviveu muito bem sem ele, e que – mesmo aos trancos e barrancos – continuará a existir sem ele.

Talvez até melhor, considerados os maus tratos que ele está a infligir à natureza. Se Deus fosse humano! – que loucura tentar desenhar o Criador a partir de nossas lentes embaçadas… – ele estaria arrependido de haver criado uma espécie tão complexa. Capaz de fazer o mal ao seu semelhante, capaz de guerrear, capaz de premeditar a infelicidade alheia, capaz de dormir todas as noites, mesmo sabendo que, por causa dele, alguém é infeliz.

Assistir a “Meu Deus!” faz pensar. Para quem ainda não perdeu de todo o sentimento original, a pureza de criança, fará retomar o propósito de ser um pouquinho melhor. Esse pouquinho, se multiplicado, fará a diferença.

JOSÉ RENATO NALINI é presidente do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo para o biênio 2014/2015. E-mail: jrenatonalini@uol.com.br.

Foto: João Caldas Fonte: http://guia.uol.com.br/

Foto: João Caldas
Fonte: http://guia.uol.com.br/

Anúncios

Autor: Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

2 pensamentos sobre “Deus no Divã

  1. Tive a oportunidade de assistir Meu Deus! no Teatro FAAP com a talentosa Irene e com o não menos Brilhante Dan, que também ouço na CBN. A propósito Excelência; divaguemos.. ” politeísmo – monoteísmo” agora só temos um Deus para reclamar. Viu as vantagens? Nem todos estariam cansados! A não ser o Deus da Água o Deus dos Transportes….

  2. como sempre. Uma visão generosa de quem vê sempre além das aparências………gostei da matéria.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s