Blog do Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

Gesto incomum

2 Comentários

Já tive oportunidade de escrever sobre a chamada “tática das homenagens”. É a prática bem usual de cultuar o poder. “Rei morto, rei posto” ou “O Rei Morreu! Viva o Rei!”. Assim que alguém atinge qualquer parcela de poder ou autoridade, começa a merecer homenagens. Na verdade, é o cargo que está sendo reverenciado, não o seu detentor.

Há alguns anos, uma pessoa chamada a ocupar um elevadíssimo cargo chegou a comentar comigo o que aconteceria depois de nomeado. Eu disse a ele que o problema seria colecionar títulos, láureas e a prolífica difusão de honrarias com que seria bombardeado, assim que tomasse posse. É o que geralmente acontece. E quem se ilude corre o risco de fazer o papel do “asno a carregar relíquias”. Um conto francês bem divulgado: o asno era ornamentado para levar o Santíssimo na Festa de Corpus Christi. Todas as pessoas se ajoelhavam à sua passagem. Estranhou quando, encerrada a procissão, foi levado à estrebaria e maltratado pelo serviçal. Era para o Sacramento que os fiéis se ajoelhavam. Não para o asno!

Nesse tema, é de causar estranheza gestos de desprendimento como o de Thomas Piketty, autor do livro “O Capital no Século XXI”, um dos best-sellers do ano passado. Recusou-se a receber a “Legião de Honra”, a condecoração máxima concedida pela França. Sua resposta: “Não cabe a um governo decidir o que é honorável”.

Diante da atual crise do governo francês, que guarda alguma analogia com o que acontece no Brasil, diante da prodigalidade com que os direitos foram assegurados, sem fontes de recursos suficientes para fazer face aos compromissos, o autor esperava que o governo se preocupasse com a restauração da credibilidade, não com homenagens.

Thomas Piketty agora se alinha a outras personalidades que já recusaram a Legião de Honra, como Claude Monet, Jean-Paul Sartre, Marie Curie, Albert Camus, Hector Berlioz e Brigitte Bardot. Todos se negaram a aceitar a honraria criada por – nada menos do que Napoleão Bonaparte – e isso em 1802. A busca de gloríolas e de títulos, medalhas e condecorações, é a regra no mundo das vaidades. Mas quem possui valor autêntico não precisa desse fútil e transitório reconhecimento. Piketty acrescentou méritos ao seu currículo.

JOSÉ RENATO NALINI é presidente do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo para o biênio 2014/2015. E-mail: jrenatonalini@uol.com.br.

Anúncios

Autor: Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

2 pensamentos sobre “Gesto incomum

  1. De fato o cargo ou posto ocupado por pessoa de ilibada reputação já está justamente homenageado e distinguido, espera-se deste mortal que desempenhe suas funções e que não se deixe atropelar pela soberba.

    Na governança não pode ser diferente, inclusive alguns deveriam começar a devolver títulos, honrarias e troféus e até mesmo renunciar.

  2. Não peço homenagens, peço que seja feita justiça e não aos paliativos. Que se exalte o judiciário como via, pois virou poder de 2a. Diga-se da classe não só dos funcionários públicos, mas dos advogados, principalmente, que se tornam “carniceiros” na defesa apenas do interesse de empresas e alguns dos porcos (não que esses não tenham direito de defesa, mas devem ser punidos para que não se repitam). Esse é o meio. Boa vontade, sabe-se que parte apenas de alguns e as negociações (por fora) estão aquem do Direito. A justiça deve ser justificada, pois tem sido massacrada pela má educação, inclusive da base, de seus magistrados. Exemplo de um homem, em nome de todos. Não para elevar-se, mas a coragem de um exemplo para restaurar tudo de bom que foi perdido: VALOR.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s