Blog do Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

O milagre depende de nós

3 Comentários

Não é impossível converter o Brasil num País de primeiro mundo. Basta empenhar-se e aprender com experiência alienígena. Veja-se o exemplo de Cingapura, fundada em 1965. À época, sua renda per capita era de US$ 400 ao ano. Bastaram cinquenta anos para que essa renda chegasse a US$ 60 mil anuais. Cuida-se de uma pequena ilha, usada pelos ingleses como entreposto comercial no estreito de Málaca, desprovida de recursos naturais, espaço ou língua definida. No entanto, converteu-se em potência mundial das finanças, comércio, eletrônicos, refinarias e serviços.

O que aconteceu? Firmeza de caráter de um povo que levou a sério eleger um governo íntegro e eficiente, estabeleceu políticas econômicas favoráveis aos negócios e ao empreendedorismo e não considerou antidemocrática a disciplina, a ordem e o estrito respeito às leis. Isso não a impediu de ser tolerante para com a diversidade e a implementar um eficiente multiculturalismo. Tudo passou pela educação, não pela mera escolarização. O funcionário público é uma elite se considerado o seu mérito. Em Cingapura o servidor se orgulha de integrar um Estado que abomina a corrupção.

Não faltam ao Brasil os ingredientes que o conduziriam pela mesma rota. Ainda existe gente bem intencionada, nem todos os políticos são canalhas, nem toda a escola pratica aquele velho estelionato: professor finge que ensina, aluno finge que aprende.

Só não pode fingir, na escola particular, que paga e deixar de fazê-lo. As futuras gerações não merecem receber o resultado da omissão e do desalento de tantos que não acreditam mais nas instituições e desertaram dos valores.

Elas são as destinatárias de um planeta que nós deterioramos e que já não responde com eficiência às necessidades vitais. Erramos no mundo físico, ao desrespeitar a natureza e erramos no mundo espiritual, quando abortamos o sonho. Mas os milagres existem e dependem exclusivamente de nossa vontade. Consciências atiladas, uni-vos!

Fonte: Diário de S. Paulo | Data: 11/06/2015 JOSÉ RENATO NALINI é presidente do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo para o biênio 2014/2015. E-mail: jrenatonalini@uol.com.br.

Anúncios

Autor: Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

3 pensamentos sobre “O milagre depende de nós

  1. Presidente, artigo muito estimulante.

  2. Não tem como não sermos remetidos a inesquecível musica de Ivan Lins e Vitor Martins.
    e René Descartes: ” Basta ajuizar bem para bem fazer, e julgar o melhor que nos seja possível para fazermos também o nosso melhor.

  3. Assertiva correta: O milagre depende de nós.
    Carecemos do povo em estado de ânimo para crer em um futuro promissor à partir de mudanças sérias.
    Precisamos de um comando que trace com lisura e inteligência, as prioridades a serem executadas.Tarefas deverão ser distribuídas aos que irão cooperar.
    Sim, é possível milagres em seres humanos, por quê não crer na mudança, para uma qualidade de vida digna a todos cidadãos.
    Vamos todos, ao encontro de nossos sonhos palpáveis.

    ” VOCÊ NÃO ENCONTRA A
    PAZ, EVITANDO A VIDA…”
    Virgínia Woolf

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s