Blog do Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

A podridão humana

6 Comentários

Ninguém pode recusar os benefícios da informática, da eletrônica e das redes sociais. Permitem-nos a comunicação instantânea com qualquer pessoa e em qualquer parte do mundo. Mas tudo tem ao menos dois lados. A mesma teia propiciadora de contatos afetivos é aquela que nos enreda em triste situação.

A comprovação de que a miséria humana está em todos os espaços, em todas as gentes. Nós, adeptos da web, agora temos de nos acostumar com a presença crescente da “dark web” ou da “deep web”. A chamada “deep web”, a rede profunda, é a parte da internet insuscetível de ser detectada por buscadores como o Google, porque não tem links direcionados a ela.

Serve para ocultar, intencionalmente, os sites que pretendem continuar anônimos, para melhor ferir o semelhante. Esta parcela é chamada a web escura: não é acessada pelos navegadores tradicionais. E para que servem deep e dark wesbs? Para vender maconha (31%), remédios proibidos (21%), LSD, metanfetamina, cogumelos, heroína, sementes e videogames (5,3% cada um desses “produtos”).

Mas não é só. Essas redes escuras e profundas também estão à disposição de quem quer contratar assassinos, por 45 mil dólares. Um estupro fica mais barato: 7 mil dólares. Surras para deixar uma pessoa paralítica está à disposição por 30 mil dólares. A pedofilia também navega pelo mundo dark, inclusive mediante o uso do “crowdfunding”, ou vaquinha virtual.

Pessoas se unem e cada qual fornece uma parte do dinheiro que será utilizado para a criação de um site especializado em prodigalizar pedofilia entre os enfermos que a ela se dedicam. O maior problema de tudo isso é que as operações não são rastreáveis, como na internet. À medida em que a informática avança, também se especializa a maldade humana, pois a podridão faz parte desta miserável natureza.

Não há prenúncio de mutação genética hábil a fazer do ser humano aquele bom selvagem, o homem idílico de Rousseau, pronto a auxiliar o seu semelhante e a fazer o bem. Na verdade, parece que Hobbes é quem estava com a razão: o homem é o lobo do homem. E, pior do que isso, é um lobo sujo, pervertido e cruel.

JOSÉ RENATO NALINI é presidente do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo para o biênio 2014/2015. E-mail: jrenatonalini@uol.com.br.

Anúncios

Autor: Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

6 pensamentos sobre “A podridão humana

  1. Vivendo e aprendendo. Sou totalmente leiga a esses assuntos relacionados à internet. Até poucos meses atrás, não sabia diferenciar um perfil “fake” das redes, de um usuário comum. Um amigo que me deixou mais atenta para fugir dos doentes desocupados.

    Artigo bastante esclarecedor, parabéns!

    Conversando com filhota aqui, comentando do artigo do senhor, ela também reforçou sua aula sobre os “deep web”. Trouxe-me uma Revista que assina, ‘Mundo Estranho’ de dezembro/2014, que pincela o básico do tema. Filhota me explicou da origem positiva (esconder conteúdos confidenciais de um governo ou empresa) que pelo anonimato, atraiu praticantes de atividades ilegais, rumo ao “Darknet”.

    O mundo está muito louco! Como diz o Mestre Cortella: navegar ou naufragar? – Cada vez entendo menos…

  2. Presidente José Renato Nalini, tudo que o senhor escreveu é abominável, mas infelizmente é verdade. Pobre gênero humano.

  3. Prof. Nalini, não percamos a esperança na raça humana, o bem e a Justiça hão de prevalecer. Matéria excelente para reflexão!

  4. A espécie humana é formada por bons e maus elementos. Não viemos de uma estrutura social mais avançada e civilizada e fomos decaindo e sim o contrário…

  5. Vivemos numa verdadeira promiscuidade de gêneros, pessoas, classes sociais, cargos, funções. Chegamos ao ponto de acreditar que o errado é o certo. Chegamos ao ponto absurdo e caótico de alguns radialistas dos meios de comunicação distorcerem as verdadeiras mensagens do Papa Francisco. Confundindo-o com modelos partidários falidos. Vivemos uma guerra além de cibernética, de um verdadeiro eufemismo politico. O Brasil de hoje, vive uma apocalíptica crise de identidade.

  6. Neste aspecto a humanidade não evoluiu. Mudamos as técnicas, temos mais ferramentas, as comunicações estão instantâneas, simultâneas em tempo real e já não há mais distâncias.
    Mas creio que a proporção entre os bons e os maus tem mudado.
    Como no capitalismo desequilibrado pelo Estado que desafia todas a práticas de mercado e fundamentos das economias, teremos uma distancia maior entre ricos e pobres, aqueles analfabetos funcionais e digitais serão cada vez maiores e os crimes serão praticados com mais frequência, mais qualidade, e escondidos nas redes.
    Sr. Presidente pesquise por favor de 2008 a 2014 quantos crimes tipo: estelionato, crime contra a fé pública, falsificações de documentos de todos os tipos, apenas no Estado de SP . ocorreram com o auxilio da internet., é assustador!
    E observe o nível de escolaridade das vítimas, dentre elas muitos Empresários, Notários e Registradores de Imóveis.
    Oque o Estado está fazendo para dar segurança e proteção aos usuários das redes? O estado nem protege seus sistemas!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s