Blog do Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

Ousadia para o bem

5 Comentários

O mundo não é dos covardes. Estes podem até sobreviver, mas não são protagonistas. São figurantes, não interferem no rumo da aventura humana, tangidos pelas circunstâncias e incapazes de reagir. Quando tudo parece envolto em incerteza e o horizonte não oferece as melhores perspectivas, é urgente que a audácia protagonize as mudanças.

O Brasil vivencia uma fase dramática. Uma população que ainda não perdeu a sensação de que nada mudou entre o Império e a República, treinada para depender em tudo do Estado e incapaz de reagir com iniciativa própria, sente-se aturdida quando a “Mamãe-Governo” diz que não há mais guloseimas. A insegurança nas políticas públicas, a falta de projetos, o fisiologismo intensificado, tudo é solo fértil onde germinam descrença e desalento.

Entretanto, os momentos desafiadores são mais estimulantes do que os ciclos prósperos e cercados de estabilidade. É urgente contemplar o passado para edificar um futuro sadio e projetar o futuro para não perder o rumo presente.

Há inteligência no Brasil. Em todos os setores. Ela precisa atuar e coibir que o governo atrapalhe o empreendedorismo, a livre iniciativa e a busca de sobrevivência digna. Vi estes dias algo que me sensibilizou: o recado para o governo deveria ser aquele que se coloca na porta do quarto de hotel quando estamos cansados: “Favor não incomodar” ou “Please, don‘t disturb”.

Nós da Justiça podemos fazer muito para conferir confiança ao povo perplexo e soi disant impotente. Continuar a produzir decisões objetivas, claras e céleres. A indefinição é o pior castigo que o jurisdicionado pode receber da Justiça.

Mas também é o momento de despertar para questões que só dependem da vontade para obter solução favorável para todos. A reiteração de lides idênticas ou análogas não precisa merecer, de cada julgador, o mesmo exame já levado a efeito no “leading case”. É essencial adotar estratégias já utilizadas nos Tribunais Superiores das lides repetitivas e não tornar a Justiça uma produtora de cópias reprográficas daquilo que já mereceu resposta. Com isso, aliviaríamos a carga de distribuição e daríamos condições aos julgadores de enfrentar questões novas. Isso é impossível? Penso que não. Seria uma ousadia in bonam partem

JOSÉ RENATO NALINI é presidente do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo para o biênio 2014/2015. E-mail: jrenatonalini@uol.com.br.

Anúncios

Autor: Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

5 pensamentos sobre “Ousadia para o bem

  1. Posso escrever isso para os Juízes dos meus processos, do interior de São Paulo? Eles precisam de audácia e autonomia que lhes parecem estranho, ou estão a inventar o direito pelo avesso!

  2. Boa Flor….rsrsrs…Mais do que palavras ao vento, nosso mundo precisa de bons exemplos…

  3. Os covardes fogem, se escondem e só se apresentam quando alguém esta em evidencia dizendo ser amigo. Aqueles que chamam de loucos ou fora dos padrões, fazem sim o mundo andar. Aqueles que não tem medo de mudanças.

  4. Resultados são equivalentes ao tamanho de sua ousadia! recomendo!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s