Blog do Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

Chega de poluição

Deixe um comentário

Nunca se lamentará o suficiente o incrível erro cometido pela República ao abandonar as ferrovias e optar pelo automóvel. Tínhamos uma eficiente modalidade ecológica de transporte, que poderia merecer investimentos e percorrer enormes distâncias, preservando o ar puro que já foi uma característica desta terra devastada. Não. Preferimos usar combustível fóssil e, como somos exagerados, construímos cidades não para pessoas, mas para automóveis.

Somos o país que mais sacrifica vidas humanas no trânsito. Pois educação não é o patrimônio maior desta geração. Já fomos muito melhores. Em tudo. Estamos aceleradamente rumo à deterioração total.

Nossas cidades todas enfrentam problemas insolúveis no trânsito. Tempo perdido, paciência esgotada, poluição contínua. Os equívocos se sucedem e se favoreceu a aquisição do automóvel como se fora gênero de primeira necessidade. Governos populistas incentivaram o endividamento dos escalões hipossuficientes, mediante concessão de crédito para comprar carro em 72 prestações!

Gente que não tem teto, não cuida da educação dos filhos, não pode mostrar sua dentição, reserva numerário para abastecer o seu veículo. Quando acaba de pagar, já não tem o auto. E a desvalia do carro usado é outro fenômeno interessante no Brasil. Você sai da concessionária e o carro vale 30% menos. Isso é normal?

A falta de educação é potencializada no trânsito. Este é malcriado e violento. Que o digam os ciclistas, teimosos utopistas que são atropelados, empurrados e maltratados. Que inveja da civilização!

O Prefeito de Bristol, no Reino Unido, teve coragem de dissuadir seu povo de usar carro. Em zonas residenciais, só entra de carro o morador. E assim mesmo, paga uma taxa anual, de acordo com o gás carbônico emitido por seu veículo. Com isso, além de reduzir a poluição assassina, o Prefeito George Ferguson estimula a solidariedade. As caronas passam a ser normais, o uso do transporte coletivo aproxima as pessoas.

O sacrifício vale a pena. Bristol é considerada a “capital verde” europeia. Enquanto isso, nossas cidades vão competir no ranking das mais envenenadas.
Como é que as novas gerações nos julgarão amanhã?

Fonte: Jornal de Jundiaí | Data: 18/02/2016
JOSÉ RENATO NALINI é secretário da Educação do Estado de São Paulo. E-mail: imprensanalini@gmail.com.

Anúncios

Autor: Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s