Blog do Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

Ateu, mas nem tanto

1 comentário

O ateísmo está na moda. Converteu-se numa espécie de mantra, cujos atores atuam como se fossem pregadores. Um inacreditável “evangelho ateu”. Não satisfeitos em desacreditar, alguns querem fazer discípulos.

O ensaísta britânico Christopher Hitchens (1949-2011) escreveu “Deus não é Grande” e professou o ateísmo até morrer. Diagnosticado com câncer no esôfago, não mudou de ideia, mas admitia que não se responsabilizaria se, sob efeito de medicação, subitamente passasse a acreditar na vida após a morte.

Era bem humorado e encerrava as discussões travadas com intelectuais religiosos, seus amigos, afirmando: “Sou ateu, mas gosto de surpresas. Quem sabe…”.

Além de “Deus não é Grande”, escreveu “Últimas Palavras” e “O Julgamento de Kissinger”. A editora Atlantic Books lança um livro póstumo, cujo nome é “And Yet” (E Ainda), sem tradução para o português. É uma coletânea de textos publicados em boas revistas americanas, como Vanity Fair, Slate e The Atlantic. Seus artigos constituem ótimo exemplo de como escrever.

Textos curtos, precisos, com a narrativa de suas desilusões com Che Guevara, além do relato de uma experiência em que tentou melhorar de aparência e abandonar o álcool com exercícios e dieta. Hitchens fala a todas as idades, mas a juventude é mais atraída por sua linguagem direta e franca. É que as suas preocupações estão em sintonia com o jovem antenado, que enxerga aquilo que se passa neste conturbado mundo.

Outra obra póstuma que Sylvia Colombo analisa na FSP de 5.3.16 é “Quando os Fatos Mudam”, de Tony Judt (1948-2010). Também morto precocemente – ambos faleceram com 62 anos – Judt escreveu “Pós-Guerra”, “O chalé da memória” e “O Mal Ronda a Terra”. Algo interessante aproxima esses dois ingleses que vieram morar nos Estados Unidos. Ao sentirem a aproximação da morte, quiseram escrever rapidamente o seu “recado” aos filhos, alunos e a todos os que quiserem ver melhor o mundo.

Judt foi diagnosticado com esclerose lateral amiotrófica em 2009 e durou mais um ano. A doença fê-lo sentir a urgência em passar adiante suas reflexões para filhos e discípulos. Mesmo com a ajuda de assistentes, enquanto teve consciência, não parou de escrever. Exemplos de devotamento que podem inspirar os jovens a se esforçarem para alcançar seu objetivo existencial.

Fonte: Jornal de Jundiaí | Data: 13/03/2016
JOSÉ RENATO NALINI é secretário da Educação do Estado de São Paulo. E-mail: imprensanalini@gmail.com.

Anúncios

Autor: Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

Um pensamento sobre “Ateu, mas nem tanto

  1. Reflexões como sempre muito cultas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s