Blog do Renato Nalini

Ex-Secretário de Estado da Educação e Ex-Presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo. Ex-Presidente e Imortal da Academia Paulista de Letras. Membro da Academia Brasileira de Educação. Atual Reitor da UniRegistral. Palestrante e conferencista. Professor Universitário. Autor de dezenas de Livros: “Ética da Magistratura”, “A Rebelião da Toga”, “Ética Ambiental”, entre outros títulos.

Use com cuidado

1 comentário

O homem é o único animal dotado de liberdade. É mais escancarada a sua capacidade de escolher do que o uso que faz da razão. Pois suas escolhas nem sempre são racionais. Os outros animais agem por instinto. Um formigueiro é o mesmo, seja nos primórdios da criação, seja em nossos dias. Será sempre igual. Já o ser humano surpreende. Nem sempre para melhor.

A sapiência romana, cuja estrutura habita nosso ordenamento jurídico, já detectara essa fragilidade: optima video, deteriora sequor. O homem possui condições de saber o que é o melhor, mas sua vontade não raro segue o pior.

É o que acontece quando a razão recomendaria prudência, sensatez, tolerância e boa-fé. Ele prefere a imprudência, a insensatez, a intolerância e a má-fé. O presente momento brasileiro é uma daquelas fases emblemáticas em que a Nação precisa de tranquilidade, compreensão e espírito de sacrifício. Mas o time do “quanto pior melhor” agita, estimula e, inconsequentemente, parte para confrontos, violência física e verbal, irresponsabilidade sem limites.

O ser humano é suficientemente livre para abraçar o bem e até morrer por ele. Mas a sua liberdade encerra a nefasta possibilidade de optar pelo mal. Sua humanidade reside na sua liberdade, na sua indefinição, na capacidade de se desprender de qualquer código. Por isso é que os bons conselhos não surtem efeito, quando há predisposição para trilhar o caminho do perigo.

A riqueza e a miséria do humano estão na sua liberdade plena: a possibilidade de escapar do certo, do recomendável, do elogiável e mergulhar no incerto, no indefensável e no reprovável. A tragédia é que as consequências desses passos errôneos recairão sobre inocentes. Não se atua sem resultados no mundo fenomênico. A avaliação dos frutos de uma opção deveria passar pela consciência que ainda não perdeu o rumo. O consequencialismo é um compromisso da lucidez em relação ao futuro, indissoluvelmente condicionado ao presente.

A liberdade é uma poção mágica, a ser consumida com bula que advirta ao usuário: use com cuidado! Mas quem é que lê a bula antes de se servir da liberdade?

Fonte: Jornal de Jundiaí | Data: 10/04/2016
JOSÉ RENATO NALINI é secretário da Educação do Estado de São Paulo. E-mail: imprensanalini@gmail.com.

Anúncios

Autor: Renato Nalini

Ex-Secretário de Estado da Educação e Ex-Presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo. Ex-Presidente e Imortal da Academia Paulista de Letras. Membro da Academia Brasileira de Educação. Atual Reitor da UniRegistral. Palestrante e Conferencista. Professor Universitário. Autor de dezenas de Livros: “Ética da Magistratura”, “A Rebelião da Toga”, “Ética Ambiental”, entre outros títulos.

Um pensamento sobre “Use com cuidado

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s