Blog do Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

Subsidiariedade urgente

Deixe um comentário

O princípio da subsidiariedade é uma das alavancas mais eficazes de transformação da sociedade. Parte do pressuposto de que a criatura racional seja capaz de resolver grande parcela dos problemas existenciais, sem ter por si a tutela de um responsável. Seres plenamente capazes, não acometidos de sério comprometimento mental, ostentam condições de superação das dificuldades postas no caminho de todo vivente.

Embora às vezes o paternalismo pareça adequado, na verdade ele cria dependência e reduz a dimensão humana em sua integral potencialidade.
Quem precisa de tutor é o incapaz, seja menor ou o maior desprovido de condições de autogestão de sua vida. Todos os normais podem ser orientados, estimulados, assistidos em suas necessidades excepcionais.

Mas o caminho verdadeiro é prover as pessoas de espírito de iniciativa, de vontade firme e deliberada para o enfrentamento das vicissitudes. Estas surgem como fatos naturais para quem está vivo e precisa conviver. Mas permanecer sob a tutela permanente, sem o preparo no sentido da autonomia, não parece digno das criaturas inteligentes.

A Igreja sempre postulou observância ao princípio da subsidiariedade, pois a base do cristianismo é reconhecer que todos os humanos são iguais em dignidade, pois igualmente filhos de Deus. Não há ninguém melhor.

A preferência aos hipossuficientes foi lição do próprio Cristo, no clássico discurso das bem-aventuranças. Ali está presente a hierarquia cristã em toda a sua explicitude. Mas a vocação das criaturas é crescer, continuamente, até se possa atingir a plenitude das potencialidades. Pois o destino dos homens é a perfectibilidade.

Como seria bom se os mais providos de clarividência amparassem os menos providos até se conseguisse a possível equanimidade. Se cada alfabetizado adotasse por missão alfabetizar um analfabeto. E isso vale para outros analfabetismos: o monoglota, analfabeto idiomático; o jejuno em informática, analfabeto digital. O revoltado, analfabeto em tolerância. O irado, analfabeto em convívio harmônico.

Depender é uma situação que só pode ser encarada como transitória, até se alcance o estágio da autonomia. Direito de todos e dever da sociedade.

Fonte: Jornal de Jundiaí | Data: 28/04/2016
JOSÉ RENATO NALINI é secretário da Educação do Estado de São Paulo. E-mail: imprensanalini@gmail.com.

Anúncios

Autor: Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s