Blog do Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

Máquina de demolir

1 comentário

A humanidade nem sempre segue a racionalidade. No afã de obter êxitos materiais, agarra-se a uma equivocada noção de progresso. Tudo o que o dinheiro conseguir comprar está à venda. Sacrificam-se os valores, a cultura, os bens intangíveis destruídos pela sanha demolitória.

Não é apenas a demolição física. Esta prossegue com tenacidade. O Brasil não respeita sua jovem História. As cidades perdem seus parâmetros, suas referências afetivas, seus marcos tradicionais. Para quem sepultou riachos, córregos e matou três grandes rios, o que significam edificações de alvenaria? A pior é a demolição moral. A incivilidade é a marca da postura contemporânea. Maus modos, rispidez, grosseria, falta de compostura. Em setores que deveriam funcionar como paradigmas.

Descrença generalizada, acintes, ofensas e maledicência. Presunção de má-fé, enquanto o discurso e o ordenamento prestigiem formalmente a boa-fé. O inocente é sempre chamado a fazer a “prova diabólica”: provar que não fez. Que não é o responsável por aquilo de que o acusam. O lamaçal ético não respeita ninguém. Bons e maus, honestos e corruptos, todos são atingidos.

Mas tudo tem um termo. Nada dura para sempre. O Evangelho, na sua sabedoria, consagra a lição de que há tempo para nascer e tempo para morrer. E o vendaval que sacudiu as estruturas morais da Nação tende a serenar. Uma pena que deixe rastros e dores em muitos e, principalmente, na alma cívica do brasileiro.

Lendo um dos ensaios do historiador e jornalista Tony Judd, que faleceu em 2010, encontro um trecho eloquente: “O medo é um ingrediente que vem ressurgindo na vida política das democracias modernas. Medo do terrorismo, é claro; mas também, e talvez mais insidiosamente, medo da velocidade incontrolável das mudanças, medo do desemprego, medo de perder espaço para outros numa disputa em meio a uma distribuição cada vez mais desigual de recursos, medo de que cada um perca o controle das circunstâncias e rotinas de sua vida diária”.

Viver com medo é morrer em vida. Deus nos livre do temor e nos dê coragem para enfrentar os próximos tempos, nada alvissareiros, nada promissores.
Resistamos à máquina de demolir nossa moral, pois vida sem moral não é digna de ser vivida.

Fonte: Jornal de Jundiaí | Data: 15/05/2016
JOSÉ RENATO NALINI é secretário da Educação do Estado de São Paulo. E-mail: imprensanalini@gmail.com.

Anúncios

Autor: Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

Um pensamento sobre “Máquina de demolir

  1. Bom dia muito bom

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s