Blog do Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

A única meta

1 comentário

A competitividade contemporânea nos impõe ritmo alucinante. Atingir escopos, perseguir metas, chegar lá. Lá onde? Píndaro observou: “Chega a ser o que és!”. O que ele quis dizer? Nascemos biologicamente depois dos nove meses de gravidez. Começamos a respirar. Deixamos o conforto cálido de um útero materno, envolvido num líquido amorável e penetramos na crua realidade. Por isso choramos ao nascer.

O enfrentamento do mundo real nos impõe outros nascimentos. Renasce-se com a educação. Educar é treinar para os desafios da existência. Desafios cruéis, pois o mundo não perdoa. Bem por isso, o projeto educacional precisa ser consistente e muito sério.

A obrigação do educador é educar-se continuamente, assumindo a estratégia de conhecer-se cada vez melhor, conhecer o mundo e só então passar a intervir na mente alheia. Mente em formação, do ser educando que é tábula rasa. Lousa vazia, na qual se escreverá uma história. Da qual o mestre é um coautor.

A política pública da educação é missão de todos, conforme o constituinte disciplinou: educação, direito de todos, mas dever do Estado, da família e da sociedade. O que se pode fazer? Muito. Mobilizar todos os recursos – financeiros, materiais, mas também os intangíveis: esforço, entusiasmo, idealismo, força de vontade – para gerar cada vez mais conhecimento e engajar o maior número de pessoas para promover a educação integral.

Como é gratificante verificar a boa vontade de quem quer repartir o seu conhecimento com o próximo. É um “ganha-ganha”, pois quem se propõe a ensinar, aprende com o ser educando.

A sociedade brasileira precisa acordar e levar a educação a sério. Cada um, no seu ambiente, cobrar-se mais e cobrar de quem puder o engajamento integral. Motivar os outros. Contaminar aqueles que estão inertes, adormecidos ou anestesiados. A visão que se exige do patriota hoje é ser transformador de valores e atitudes em prol da educação.

Não há lugar para o desânimo. Substituir a parêmia: “Se ficar o bicho come; se correr o bicho pega”, por um terceiro e estimulante complemento: “Se nos unirmos, o bicho foge.” É isso o que o Brasil espera de seus filhos, para o enfrentamento do árduo desafio de educar todas as criaturas. Essa a meta que o presente nos impõe.

 Fonte: Jornal de Jundiaí | Data: 28/08/2016
JOSÉ RENATO NALINI é secretário da Educação do Estado de São Paulo. E-mail: imprensanalini@gmail.com.

Anúncios

Autor: Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

Um pensamento sobre “A única meta

  1. Prezado Doitor Nalini, parabéns pelo excelente artigo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s