Blog do Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

O teatro e a vida

Deixe um comentário

Sempre me entusiasmei com o teatro. Não fora filho de um diretor de teatro amador que acumulava as funções de ensaiador, ator, animador, selecionador de jovens talentos e tudo o mais que necessitasse de mão de obra gratuita e entusiasta. Fui assistir a “O que terá acontecido a Baby Jane”, com Eva Wilma e Nicette Bruno. Espetáculo magnífico.

Elas não ficam nada a dever a Betty Davis e a Joan Crawford, que em 1962 encenaram a peça baseada no livro de Henry Farrel no cinema. As crianças Sophia Valverde, Duda Matte e Thaís Morello são excelentes e prometem muito. Vai daí a associação que faço em relação a Eva Wilma que, em companhia de Carlos Zara, nos ajudou na Feira da Amizade em 1982.

Ela entendeu que um movimento que congregava toda a cidade de Jundiaí, para sustentar a integralidade de suas entidades assistenciais, merecia um olhar de carinho dos artistas. Passou um dia a trabalhar numa das barracas que a comunidade fazia funcionar de maneira autêntica: os pratos típicos eram preparados pelas próprias partícipes e cada colônia mostrava o que de melhor produzia.

Também me lembrei de Joan Crawford, que tive o privilégio de conhecer quando em visita ao Brasil. Ela se encontrou com sua prima-irmã Yvonne Le Sueur de Moraes e eu, amigo de José Carlos Le Sueur de Moraes, integrei a pequena comitiva que com ela jantou num hotel em São Paulo. Ela era dona da Pepsi-Cola e tinha interesses no Brasil. Procurou avistar-se com a prima e sua família. Seu nome era Lucille Le Sueur. Fez o papel de Blanche Hudson no cinema, agora representado por Nicette Bruno.

O teatro é uma arte apaixonante. A cada espetáculo, o artista se oferece inteiro à plateia. Não é como o cinema, que consegue repetir as cenas até satisfazer o diretor. Não. Cada cena é única e definitiva.

Depois, existe a correlação interessante entre teatro e vida. Representamos bem nosso papel? Ou estamos mal situados nele? Teríamos condições de interpretar outro personagem? Já tentamos alguma vez? São temas existenciais que incomodam algumas pessoas. Apenas as lúcidas.

 Fonte: Jornal de Jundiaí | Data: 30/09/2016
JOSÉ RENATO NALINI é secretário da Educação do Estado de São Paulo. E-mail: imprensanalini@gmail.com.

203145_teatro2-jpg-1000x390_q60_box-01441050553_crop_detail

Anúncios

Autor: Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s