Blog do Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

O ingrediente é o amor

3 Comentários

A despeito das dificuldades que este ano ofereceu a todos os brasileiros, é reconfortante saber que professores da Rede Pública mantiveram acesa a chama. Quando se conhece o resultado de experiências levadas a efeito em salas de aula por protagonistas anônimos, que desenvolvem projetos transformadores, tem-se a certeza de que o Brasil dará certo.

Quem duvidar tente conhecer os dez mestres premiados com o “Educador Nota 10” em sua 19ª edição. Em Lajes, SC, Carlos Eduardo Canani fez com que seus alunos se interessassem pelas estórias dos avós e a partir daí, além de estreitarem os laços sanguíneos, reforçassem o aprendizado da Língua Portuguesa. “Por um Fio de Memória” é algo que pode ser replicado em qualquer sala de aula, pois já provou dar certo.

A professora Débora Gomes Gonçalves, de Salvador-BA, fez um vínculo muito concreto entre seus alunos e o Projeto Tamar, que protege as tartarugas marinhas. As crianças conheceram melhor o objetivo da iniciativa e conseguiram sucesso mais efetivo no processo de alfabetização.

“A Construção da Identidade” foi desenvolvida por Fábio Augusto Machado, numa área vulnerável de Morro Doce, Distrito de Anhanguera, Capital Paulista. Fortaleceu a autoestima de seu alunado, que ganhou desenvoltura ao traduzir em saraus as suas angústias e esperanças.

A gamificação foi o setor explorado pelo Professor Greiton Toledo de Azevedo, em Goiania, com o intuito de contribuir para o entendimento da estrutura computacional e estimular o raciocínio matemático de forma lúdica, utilizando-se dos games, tão conhecidos desta geração.

Em Nova Europa, SP, a professora Karin Elizabeth Bergamin Groner, da Escola Estadual Fernando Brasil, conseguiu com que seus alunos ganhassem proficiência em Português, mediante o projeto didático leitura dramática. A leitura prazerosa e compartilhada é instrumento imprescindível à boa formação do futuro cidadão e hoje aluno da Rede Pública.

Na educação indígena, o professor Luiz Weymilawa Surui, de Cacoal-RO, ao resgatar a cultura tradicional, fez com que os alunos aprendessem com os mais idosos a construir o Lap Gup, lugar de relações fundamentais da vida doméstica de tempos imemoriais e se aperceberam melhor de sua importância etnogeográfica. Muito expressiva a manifestação do mestre indígena em relação à preservação das florestas, brado ecológico tão necessário em nossos dias de inclemente maltrato da natureza.

O Projeto “Pé com Café”, da mestra Marilei Roseli Chableski, de Joinville-SC, preparou acolhimento carinhoso para as crianças do berçário. Adentrando às peculiaridades dos bebês, propiciou que a separação inicial entre mãe e filhos fosse amenizada pela reconstituição do ambiente doméstico das crianças.

Um diretor de 27 anos, Rodrigo Barbosa Fróes, desenvolveu um Projeto extremamente relevante: Escola de Qualidade: Responsabilidade de Todos. Em Manaus, articulou diferentes segmentos da escola e promoveu ações que potencializaram a performance de todos os atores de uma escola que dava eloquentes sinais de fratura relacional.

Selene Coletti, de Itatiba-SP, com o Projeto “Mapas do Tesouro que são um Tesouro”, estudou com seus discípulos a localização de pessoas e objetos no espaço, em exercícios lúdicos de percursos e construção de um sedutor mapa do tesouro, que os fez mais interessados em Matemática.

Finalmente, o jovem professor Wemerson da Silva Nogueira, de 25 anos, em Nova Venécia-ES, ofereceu o projeto que garantiu a ele o Prêmio de “Educador do Ano”. O nome é inspirador: “Filtrando as Lágrimas do Rio Doce”. A partir da tragédia ambiental da Samarco, estudou em sua classe os impactos causados pelo rompimento da barragem em Mariana e os contextualizou ao estudo da tabela periódica. Mais ainda, inserindo o aprendizado à vida real, construiu filtros para a comunidade ribeirinha.

Como esses dez, quantos outros não têm iniciativas exitosas e conseguem provar que o ensinar é a mais importante missão de que pode se encarregar um ser humano?

Fonte: Correio Popular de Campinas | Data: 04/11/2016
JOSÉ RENATO NALINI é secretário da Educação do Estado de São Paulo. E-mail: imprensanalini@gmail.com.

Anúncios

Autor: Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

3 pensamentos sobre “O ingrediente é o amor

  1. Pingback: Prêmio de “Educador do Ano” | Caetano de Campos

  2. Tenho sempre acompanhado teu blog.

  3. Há esperança. Educar apenas parece uma missão impossível.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s