Blog do Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

Poesia não vende

Deixe um comentário

É o nome original do livro de poesias de minha amiga, companheira na Academia Paulista de Letras, a renomada Renata Pallottini. Poeta e dramaturga pres­tigiada no Brasil e fora dele, oferece esta obra com 130 poemas de instigante inspiração.

Poesia é essencial para este mundo consumista, cuja rotina rouba os raros instantes de sensibilidade e nos faz escravos da burocracia e do politicamente corre­to. O poeta está numa outra dimensão. Sofre mais, é ób­vio, mas consegue enxergar dimensões imperscrutáveis para os autômatos, zumbis robotizados que respiram, caminham, trabalham, mas não têm tempo de amar.

Devorei o livro de uma só vez. A cada verso, impulsionava-me a vontade de prosseguir. E mencio­naria muitos, não fora o espaço que me é reservado para refletir e partilhar sensações com aqueles que têm a paciência de me ouvir. Mas me impressionei com “O passado”: “O passado é um cesto cheio de frutas secas. É preciso trincá-las, as doces e as salgadas. É preciso mordê-las, as amargas e as outras”.

Quem é que não encontra amarguras em sua história? Mas também garimpamos instantes mági­cos. Como os vivenciados com a linda e querida Lupe Cotrim Garaude, a quem Renata dedica outra poesia: “Todo poeta é uma flor que permanece/Espada aérea e franca/Contra a morte. Todo poeta é uma cor que per­manece/No olhar sobrevivente/E na luz das manhãs que voltam sempre/Lupe/Lume de azul/Longe beleza/ Antena sobre o espaço/E carne quente/Sílaba proferida, pesadelos/A transitoriedade que se esquece/Na luta pela vida/Passageira/Todo poeta é uma dor que permanece”.

Também me tocou o texto “A mãe”, que me trouxe recordações de minha permanência de 43 anos no sistema Justiça: “Meu filho está na sarjeta/Alguém matou o meu filho/Tinha poucos anos e/Poucas culpas o meu filho. Era drogado e vencido/O meu filho; e era moço. Igual aos ou­tros, meu filho/Era carne, pele e osso. Ninguém me disse por que/Alguém matou o meu filho. Acho que a alguém molestou/Acho que alguém o marcou. Para morrer, meu menino. Eu o pari, como sempre/Soem parir as mulhe­res; Com dor e com esperança/Como nascem as crianças. Alguém o ensinou a usar/Isso que usam os malditos. Di­nheiro sempre; dinheiro. Dinheiro e gozo da vida. Muita festa e muito ruído/E um amor mal resolvido; Não sei di­zer mais do que isso. Não sei dizer. Está dito”.

Sedutor o livro de Renata Pallottini. Há uma sequência chamada “Vida de cachorro”, que merece resenha à parte. A palavra está com os mais doutos. Quanto a mim, só posso dizer que recomendo a leitu­ra. Faz enorme bem para a alma.

 

Fonte: Jornal de Jundiaí | Data: 16/02/2017

JOSÉ RENATO NALINI é secretário da Educação do Estado de São Paulo. E-mail: imprensanalini@gmail.com.

Anúncios

Autor: Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s