Blog do Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

Coragem para a verdade

Deixe um comentário

A crise política, a desaguar no desastre econômico financeiro em que o Brasil se encontra, é muito mais grave do que se possa imaginar. A despeito de certa euforia pela eficiência da equipe econômica, observadores externos avaliam que a volta a parâmetros de 2014 só se atingirá em 2025.

As análises se baseiam na incapacidade de um consumo interno deflagrador da produção, impotência da indústria em se modernizar e absoluta insuficiência de caixa para estimular um desenvolvimento sustentável.

Já passou da hora de se “abrir o jogo” com a população que está a sofrer as consequências do débacle. As famílias cortaram custos. Reduziu-se o consumo de carne. Muitos venderam seu carro. A legião dos desempregados atinge 41 milhões de pessoas e não apenas os 12 milhões que ainda não desanimaram de procurar emprego.

É urgente a coragem de dizer que não há milagres à vista e que os números não mentem. A verdade é sempre a melhor solução. Sem tergiversação, sem subterfúgios, sem disfarces.

Todo gestor público sabe que a situação é muito mais aflitiva do que se poderia imaginar. Quem sustenta a inviabilidade de cortar custeio tem de experimentar os cortes nos ossos, já que os cortes na carne foram feitos gradualmente.

Enxugar estruturas, cortar penduricalhos, voltar à singeleza. Abandonar a sofisticação. Deixar o sonho ufanista de lado, ao menos momentaneamente, para que não falte o arroz e feijão.

Por mais irônico possa parecer, a fragilidade do governo é no momento a sua força. A chance do povo brasileiro merecer as reformas estruturais – profundas reformas estruturais – que deveriam ter sido feitas há décadas e que foram relegadas.

Sem a racionalização, sem adotar a eficiência austera, não se ultrapassará esta fase amaríssima. E a sociedade precisa saber que todas as esferas de governo estão imbuídas da mesma intenção de mudar a cultura brasileira. Acabou-se a bonança. Já não há condições de gastança. Agora a economia e otimização de gestão não decorre de virtude, mas de urgente necessidade.

Situações trágicas servem para a quebra de paradigmas. Por que não ser transparente, alertar a população a respeito dos sacrifícios que ainda serão necessários? Cuida-se do futuro de nossas crianças. É melhor “avermelhar” uma vez do que “amarelar” para sempre, como reza a sabedoria popular.

Fonte: Diário de São Paulo | Data: 02/03/2017

JOSÉ RENATO NALINI é secretário da Educação do Estado de São Paulo. E-mail: imprensanalini@gmail.com.

Anúncios

Autor: Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s