Blog do Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

O fim de uma era

Deixe um comentário

Jundiaí acordou ferida em 28.3.17. E afetivamente atingida. Morreu Luiz Francisco Ferreira Bárbaro, o “Pi­coco”. Desde janeiro lutava contra aquela fingida, que quando surge, anuncia o fim. Nutria esperanças. Subme­teu-se ao flagelo de um tratamento que poderia ser me­nos agressivo e doloroso neste sonhado século 21.

Com ele termina o clã dos Bárbaro. Foi-se Oswaldo, o líder de bairro, o cidadão atuante em to­dos os cenários. Foi-se Léta, a “mãezona” de quantos podia acolher sob suas asas. Perdemos Pituca, a meni­na mimada, cujos quinze anos transformou o “Balaio” num palácio e cujo casamento com Vadinho, o Oswal­do Negrini Coutinho, fez do Clube Jundiaiense palco de uma das mais exuberantes recepções desta Jundiaí.

Jundiaí que Picoco amou até à morte. Que de­fendeu com sua palavra fácil, até no atropelo, quando queria comunicar mais do que conseguia verbalizar. Escrevia muito, com o afã de tudo registrar, com as provocações, os desafios, os empurrões. Vibrava por reações. Era irreverente, chocava, mas transbordava de sentimento. Nada nele era morno. Fazia lembrar o Evangelho: “Sede frios ou quentes! Os mornos, cuspi­rei de minha boca…”.

Idolatrava sua Ponte São João. Emocionava-se ao falar dela. Sempre a projetou. Sua gente, seus cos­tumes, suas festas. Era “o carnavalesco”. Vibrava, congregava, mantinha aceso o espírito da folia que era quase religião, pois impregnada de misto patrio­tismo: planetário e paroquial.

Amigo dos amigos, era leal e generoso. Importa­va-se com eles e acompanhava as vitórias e as desditas. O nome de seus amigos: legião! Em todos os ambientes, em todos os estamentos. E o tesouro pelo qual se preo­cupava mais era o seu núcleo íntimo: José Oswaldo, fi­delíssimo sobrinho/filho, Maria Fernanda, tão querida, o pequeno João Pedro, com cujo futuro sonhava.

Picoco mudou Jundiaí e não passou desapercebido. Sabia ser cáustico, mas sabia conquistar. Com ele morre toda uma era: aquela das conversas consistentes, das comparações ambiciosas, do humor sempre bem elaborado, das ironias, das lágrimas seguidas de garga­lhadas, mas de um incomensurável amor à vida. Todos passamos. Ele passou e esteve muito presente em nos­sas existências. Fará imensa falta! E viva a vida!

Fonte: Jornal de Jundiaí | Data: 29/03/2017

JOSÉ RENATO NALINI é secretário da Educação do Estado de São Paulo. E-mail: imprensanalini@gmail.com.

passagem-1378633

Anúncios

Autor: Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s