Blog do Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

O caminho de volta

1 comentário

Tudo indica não ter sido fácil a rota da civilização. Frágil e só, o humano teve de aprender a enfrentar as dificuldades sem um manual de sobrevivência. Abrigar-se nos refúgios naturais, alimentar-se à base da experimentação, intuir o que traria perigos e em quem e no que depositar confiança.

Depois começou a se comunicar pela palavra, exprimir seus pensamentos, tentar compreender o universo e a imensidão do espaço imaginativo, talvez maior e mais surpreendente do que o cosmos.

Teve de adotar regras de conduta. Avaliar os riscos. Prever as consequências de seus atos. Foi longa a caminhada até considerar-se em equilíbrio consigo mesmo, com o próximo, com a natureza e com a transcendência.

Mas esse equilíbrio não é permanente. A estrutura tensional dessas esferas é suscetível a turbulência. O ser humano é desprovido de um certificado de garantia. Ninguém é o mesmo durante todo o tempo. O “eu” depende das circunstâncias.

Se isso acontece comigo, acontece também com os do meu convívio. Estamos todos à procura do autoconhecimento e da melhor compreensão do outro. Quantas decepções! Quantos desenganos! Se nossa consciência permitir, devemos aceitar que também decepcionamos e frustramos quem confiou em nós.

E em relação à natureza? Dela nos servimos como perdulários herdeiros de uma fortuna gerada sem a nossa participação. Dilapidamos com presteza esse patrimônio que não construímos, colhendo as consequências dessa insensatez.

Se cultivamos a egolatria, nos afastamos da transcendência. Bastamo-nos a nós mesmos. Satisfazemo-nos com o nosso minúsculo e medíocre quintal. O mais não guarda pertinência com as nossas cogitações.

É o que explica a era de aparente insanidade em que vigora a intolerância, a ira, o transbordamento dos impulsos até à violência a manifestar-se sob inúmeras formas.

Será possível a pausa prudencial da sensatez para a retomada de outra trajetória? Conseguiremos fazer o caminho de volta, para verificar em que encruzilhada perdemos o rumo e deixamos a rota do crescimento ético para mergulhar na barbárie? Sem isso, não será fácil acreditar que a humanidade evolui, ainda que gradual e lentamente, em inexorável marcha rumo à perfectibilidade.

Fonte: Jornal de Jundiaí| Data: 29/05/2017

JOSÉ RENATO NALINI é secretário da Educação do Estado de São Paulo.

955951_28854808

Anúncios

Autor: Renato Nalini

Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação.

Um pensamento sobre “O caminho de volta

  1. Deus o Criador do universo e tudo que nele existe, corrigiu a rota/rumo perdido com a Vinda De Jesus ( Cristo= Ungido).

    No que se aplica ao ser humano, a alguns é facultado o redireccionamento de sua existência, mas mesmo assim ainda poderá o ser humano reivindicar a barbárie a DEUS, sobre aqueles que não possuem as mesmas características, é aí que voltamos a estaca zero.

    Posso não praticar a barbárie, ser tolerante, não ser violento, mas pedir a DEUS extirpar de seu paraíso, aqui na terra, de componentes físico que destilam essa categoria.

    Já que a nós mesmos não é dado essa autoridade.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s