Blog do Renato Nalini

Ex-Secretário de Estado da Educação e Ex-Presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo. Ex-Presidente e Imortal da Academia Paulista de Letras. Membro da Academia Brasileira de Educação. Atual Reitor da UniRegistral. Palestrante e conferencista. Professor Universitário. Autor de dezenas de Livros: “Ética da Magistratura”, “A Rebelião da Toga”, “Ética Ambiental”, entre outros títulos.

Ficar Para é andar para trás

Deixe um comentário

            Os efeitos da 4ª Revolução Industrial já nos atingem. Vejam como os mobiles já adivinham o que vamos escrever em nossas mensagens eletrônicas. Isso é Inteligência Artificial, a mágica transformadora do mundo neste século surpreendente.

            Os Países que têm juízo – e são muitos, embora não façamos parte desse clube – sabem que o poder dos algoritmos do mundo digital não respeita fronteiras, acaba com negócios e muda profundamente a vida. É mais do que urgente levar a educação a sério. Ensinar o que melhora o convívio e atrai uma criança que já não consegue ser enganada com aquele conteúdo chocho das aulas tradicionais.

            Os grandes centros do pensamento estão se preocupando há muito tempo com a educação do amanhã. Ela é toda condicionada a temas que parecem ficção científica para muitos nossos educadores. Mais preocupados com avaliações em relação à capacidade cognitiva e à habilidade de memorizar informações, não se apercebem que o mundo mudou e não voltará a ser o que já foi.

            A receita para garantir sobrevivência às gerações que hoje estão nos seus anos iniciais é pensar de outra maneira os desafios da força de trabalho do século 21. Mais da metade dos empregos existentes é hoje destinada à extinção. Surgirão outras atividades, é óbvio. Mas o drama é: Primeiro, serão necessárias menos seres humanos do que aqueles que serão descartados em suas profissões. Segundo: as necessidades não coincidem com a baixíssima formação hoje propiciada a praticamente toda a juventude. Só terão o que fazer, de forma prazerosa e remunerada, aqueles que estiverem preparados.

            Indústria sucateada, pesquisa pouco desenvolvida, incapacidade de ler, escrever e se exprimir, baixa criatividade, generalizado desalento. Este o cenário em que os jovens de hoje estão, sem perspectivas reais de uma subsistência digna daqui a algumas décadas.

            Reinventar a educação, abrir espaço à ousadia, ser audaz na mudança de rumos, alertar família e sociedade, tudo isso depende mais da cidadania do que do Governo. Este continuará atento ao calendário eleitoral, ao Fundo Partidário, às coalizões, ao tempo de TV e ao marketing que terá de convencer o eleitor de que estará a fazer a melhor escolha.

            Se a sociedade lúcida não acordar e não assumir as rédeas do convívio consciente e solidário, tudo ainda será pior.

JOSÉ RENATO NALINI é desembargador, reitor da Uniregistral, escritor, palestrante e conferencista

homem-negocios-parado-em-uma-pilha-de-livros_3446-521

Anúncios

Autor: Renato Nalini

Ex-Secretário de Estado da Educação e Ex-Presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo. Ex-Presidente e Imortal da Academia Paulista de Letras. Membro da Academia Brasileira de Educação. Atual Reitor da UniRegistral. Palestrante e Conferencista. Professor Universitário. Autor de dezenas de Livros: “Ética da Magistratura”, “A Rebelião da Toga”, “Ética Ambiental”, entre outros títulos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s