Blog do Renato Nalini

Ex-Secretário de Estado da Educação e Ex-Presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo. Ex-Presidente e Imortal da Academia Paulista de Letras. Membro da Academia Brasileira de Educação. Atual Reitor da UniRegistral. Palestrante e conferencista. Professor Universitário. Autor de dezenas de Livros: “Ética da Magistratura”, “A Rebelião da Toga”, “Ética Ambiental”, entre outros títulos.

Não Dá Para Fugir

Deixe um comentário

            Um dos paradoxos da sociedade contemporânea é o discurso do apreço à privacidade e a “surra de lavada” que ela está levando de sua concorrente, a transparência. A Constituição de 1988 é pródiga em acolher antagonismos que vão reclamar imaginação criadora e malabarismos hermenêuticos para conciliar ordem e liberdade, propriedade e sua função social e o nosso tema de hoje: privacidade (ou intimidade) e publicidade (ou transparência).

            Uma primeira constatação é a de que as pessoas gostam de aparecer, de se mostrar, de se exibir. Aqueles minutos de fama no “fogareiro das vaidades” continua a funcionar e a atrair milhões de seres humanos ávidos por não serem esquecidos.

            Já é um contrapeso à defesa da intimidade. Em seguida vem o argumento da segurança. Todos têm medo e este justifica uma certa perda de privacidade. Pais seguem os filhos durante todo o tempo em que os não têm sob suas vistas. Cargas são acompanhadas pelos interessados em não perdê-las de vista. Os espaços que abrigam valores, tangíveis ou intangíveis, têm de estar sob a proteção de esquemas cada vez mais sofisticados.

            Isso decreta o fim do anonimato. Há poucos dias, Filipe Oliveira anunciava que o anonimato está com os dias contados. Hoje, entrar em loja, hotel, escola, ônibus e estádio de futebol sem ser reconhecido será quase impossível. A inteligência artificial ajuda a identificar as faces e não adianta tentar fazer plástica para mudar a fisionomia. Há outros caracteres indestrutíveis e esses bastarão para reconhecer quem quer fugir.

            Há um acerto de 99% na identificação por imagem. As câmeras não só identificam, mas são hoje capazes de detectar a emoção da pessoa. Prato cheio para o comércio, que saberá como lidar com sua potencial clientela, diante da reação fotografada pela câmera de segurança diante de um produto. Outra tecnologia já disponível: ao identificar o rosto do cliente, a empresa pode em seguida chama-lo pelo nome. Tratamento individualizado, em abono à vontade de ser prestigiado que se detecta na maioria dos viventes neste quarto de século.

            Para as escolas, o sistema servirá para avisar os pais de que o filho não entrou em sala de aula. Ou que está em companhia daquele colega que não é bem visto pela família.

            O sistema está mal começando. Pensem na disseminação disso e no ousado exercício de futurologia bem possível: ninguém mais será um desconhecido daqui a alguns anos.

             JOSÉ RENATO NALINI é desembargador, reitor da Uniregistral, escritor, palestrante e conferencista

hacker-3342696_960_720

Anúncios

Autor: Renato Nalini

Ex-Secretário de Estado da Educação e Ex-Presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo. Ex-Presidente e Imortal da Academia Paulista de Letras. Membro da Academia Brasileira de Educação. Atual Reitor da UniRegistral. Palestrante e Conferencista. Professor Universitário. Autor de dezenas de Livros: “Ética da Magistratura”, “A Rebelião da Toga”, “Ética Ambiental”, entre outros títulos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s