Blog do Renato Nalini

Ex-Secretário de Estado da Educação e Ex-Presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo. Ex-Presidente e Imortal da Academia Paulista de Letras. Membro da Academia Brasileira de Educação. Atual Reitor da UniRegistral. Palestrante e conferencista. Professor Universitário. Autor de dezenas de Livros: “Ética da Magistratura”, “A Rebelião da Toga”, “Ética Ambiental”, entre outros títulos.

Não é a escola que faz o aluno

Deixe um comentário

                       O artigo “Escolas fazem diferença?” de Hélio Schwartsman, publicado na FSP de 14.4.2018, aborda um tema de extremo interesse para toda a sociedade brasileira. O jornalista aborda a tendência contemporânea de proliferação de escolas consideradas “nichos de excelência”, que cobram mensalidades superiores a dez mil reais e são destinadas, obviamente, às famílias que podem pagar.

            Não é ruim que o Brasil tenha cada vez mais escolas, cada vez mais opções para todos os níveis. E que a performance das grandes empresas, ávidas por conquistarem mercado florescente, seja estímulo para a escola pública. Quando há melhora de nível do ensino em qualquer espaço, há possibilidade de se ampliar a comparação com todos os outros. Que os responsáveis pelo ensino estatal copiem os bons exemplos e propiciem ao aluno que não pode pagar, qualidade compatível com a dessas escolas-modelo.

            A boa notícia contida no texto é o de que não é a escola de elite a responsável pelo êxito do alunado. Ela tem bons resultados porque trabalha com uma clientela diferenciada. Há um estudo científico mencionado, de Atila Abdulkaridoglu, a atestar que para bons alunos, não é a escola que faz a diferença. “O que é bom já nasce feito”, a velha lição da sabedoria popular não é destituída de razão. É o aluno que faz a escola, não o contrário.

            Posso testemunha isso, eis que nunca deixei a sala de aula, desde 1969. Sempre lecionei, simultaneamente, em unidades de elite e em outras escolas. Em todas tive alunos promissores. A diferença é que nas escolas consideradas de excelência, o aluno vem de lares onde há bibliotecas, onde se lê bastante, onde os pais têm curso universitário. Viajam nas férias, conhecem outros países e dominam outros idiomas.

            Nas escolas que acolhem todos os candidatos aos vestibulares, onde, na verdade, sequer há seleção, mas basta se matricular e honrar as mensalidades, sempre módicas se comparadas com as “ilhas de qualidade”, a origem do alunado é outra. Ensino fundamental deficiente. Não sabem ler. Não sabem interpretar. Não conseguem se exprimir em vernáculo erudito.

            Ainda assim, se o estudante quiser, ele vence todos os obstáculos. Embora seus colegas das escolas consideradas de ponta comecem melhor, há condição de superação se ele se esforçar. Mas esforçar-se mesmo, sem esmorecer. Há espaço para todos aqueles que têm o ingrediente vontade e a consciência de que o estudo ainda é a única chave certa para a mudança de vida que depende de cada indivíduo e não de condições exteriores a ele.

JOSÉ RENATO NALINI é desembargador, reitor da Uniregistral, escritor, palestrante e conferencista

kids-2985782_960_720

Anúncios

Autor: Renato Nalini

Ex-Secretário de Estado da Educação e Ex-Presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo. Ex-Presidente e Imortal da Academia Paulista de Letras. Membro da Academia Brasileira de Educação. Atual Reitor da UniRegistral. Palestrante e Conferencista. Professor Universitário. Autor de dezenas de Livros: “Ética da Magistratura”, “A Rebelião da Toga”, “Ética Ambiental”, entre outros títulos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s